500 crianças participam de Festival de Pipas no campo da UESPI

O campo de futebol da Universidade Estadual do Piauí (UESPI)

A iniciativa do Festival de Pipas é para realizar a interação entre as crianças com competições lúdicas de que elas mais gostam. Para o prefeito Firmino Filho, a prática de atividades esportivas e lúdicas é importante para o desenvolvimento das crianças.

Image title


"Entendemos que o esporte é fundamental para completar a educação formal, por contribuir muito em várias habilidades. E estamos celebrando isso o sucesso do programa Segundo Tempo, não apenas com esporte, mas também com brincadeiras", afirma.

Firmino Filho relembra, com emoção, do tempo em que brincava com pipas na infância. "É importante, às vezes, olharmos para trás, ainda mais porque tem a ver com a nossa cultura, como é soltar pipas", conta.

Galba Coelho, secretário municipal de Esporte e Lazer, destaca a prática em ambientes adequados. "As cidades cresceram e expulsaram a pipa da cidade, mas em um campo de futebol, um parque ou um espaço aberto, você pode resgatar essa criança que tem dentro de você. A ideia é essa, fazer com que nossos filhos saibam, não podemos deixar essa tradição morrer", destaca o secretário.

Galba Coelho avalia de maneira positiva os dois anos de projeto, principalmente, por conta da interação entre as crianças. "Ano passado, a cidade inovou porque, na realidade, o projeto orienta que façamos os núcleos e que as crianças brinquem nesses núcleos. E nós lançamos uma nova proposta de realizarmos jogos entre os núcleos. Foi um sucesso. E por isso estamos repetindo", destaca.

João Henrique Rufino, coordenador geral do programa Segundo Tempo, aponta melhorias na aprendizagem das crianças, por ocupar o tempo livre com atividades esportivas, culturais e recreativas.

"Houve, com certeza, uma melhora na aprendizagem dessas crianças, ao longo desses dois anos de atividades. O programa Segundo Tempo está ocupando o tempo livre delas, com práticas esportivas, atividades culturais e recreativas. A ideia não é formar atletas e nem campeões, mas sim de dar uma ocupação para elas", esclarece.

O programa Segundo Tempo através do Ministério do Esporte, desde 2013, vem atendendo mais de 5 mil crianças, entre 7 a 15 anos, de escolas municipais de ensino, localizadas em áreas periféricas e rurais da capital. Divididas em 50 núcleos, com atividades extraescolar realizadas no contraturno das aulas.

Competição premia alunos do programa Segundo Tempo

No Festival de Pipas, além da distribuição de sorvetes e gelados, as crianças do programa Segundo Tempo participaram de uma competição que analisou a construção e a desenvoltura da pipa no ar.

Todos os alunos presentes ganharam uma medalha do programa, mas foram escolhidos três alunos que tiveram melhor desempenho com a elaboração da pipa e a performance dela.

O primeiro foi Matheus Santos, da Escola Municipal Padre Ângelo Imperialli, já o segundo lugar ficou com Francisco Paiva da Escola Municipal Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e o terceiro lugar foi Carlos Eduardo da Escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Fonte: Márcia Gabriele