55% dos mortos pela nova gripe tinham outras doenças

Números são do maior estudo já realizado sobre os casos nos EUA

A maioria das pessoas que morreram por causa da nova gripe pandêmica H1N1 tinha doenças como asma, mas 45% pareciam saudáveis, segundo o maior estudo já feito sobre os casos nos Estados Unidos.

Crianças com doença falciforme e outras enfermidades sanguíneas correm risco especial de complicações por causa da nova gripe, assim como ocorre com a gripe comum, afirmou na terça-feira (13) Anne Schuchat, do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos EUA.

Ela disse que versões injetáveis da vacina da gripe - adequada para bebês, pessoas com asma e maiores de 50 anos - será disponibilizada nesta semana. Casos mais sérios e mortes atingiram pessoas com menos de 65 anos O CDC recolheu dados de 1.400 adultos e 500 crianças hospitalizadas com gripe suína em dez estados. As conclusões confirmam que os casos mais sérios e as mortes foram em pessoas com menos de 65 anos. "A vasta maioria das hospitalizações e mortes está ocorrendo em pessoas mais jovens", disse Anne a jornalistas por telefone.

Outras cinco crianças morreram, elevando o total de vítimas fatais pelo H1N1 no país para 81. De acordo com ela, 55% dos adultos mortos tinham algum problema que agrava gripes de todos os tipos. "Em adultos, as condições subjacentes mais comuns eram a asma e a doença pulmonar crônica, a doença cardíaca crônica e a imunossupressão." Entre as vítimas, 6% eram grávidas.

As gestantes têm seus sistemas imunológicos suprimidos para que o organismo não rejeite o feto, e muitas também podem sofrer pressões do feto sobre os pulmões. "Nas crianças, as condições subjacentes mais comuns eram a asma e a doença pulmonar crônica, as doenças neurológicas e neuromusculares, a anemia falciforme e outras desordens sanguíneas." Anne disse ainda que 5,8% das crianças hospitalizadas tinham alguma doença relacionada às células vermelhas do sangue, como a doença falciforme.

Até agora o CDC não citava a anemia falciforme como um risco especial, mas as diretrizes sobre a gripe comum já orientavam que crianças vítimas dessa doença fossem vacinadas anualmente. 9,8 milhões de doses Anne relatou que o programa de vacinação continua lentamente. O CDC optou por começar a imunizar as pessoas assim que a vacina seja disponibilizada, o que significa que o fornecimento tem sido instável.

"Até ontem 9,8 milhões de doses da vacina para o H1N1 estavam disponíveis para serem encomendadas", disse Schuchat, acrescentando que metade desse total está na forma injetável. Até agora só estava disponível a versão da MedImmune, subsidiária da AstraZeneca, na forma de spray nasal, aprovada apenas para pessoas de 2 a 49 anos de idade, sem asma ou outras doenças pulmonares. Ela disse que mais doses da vacina estarão disponíveis até o final de outubro, e que as pessoas não devem se apressar em tomar a vacina contra a gripe comum.

Fonte: g1, www.g1.com.br