Achados mais corpos em Angra; mortos no estado do RJ são 63

Cães farejadores auxiliam nos esforços de busca por pelo menos cinco desaparecidos

Equipes de resgate localizaram mais dois corpos na área soterrada na Praia do Bananal, em Ilha Grande, em Angra dos Reis. As descobertas elevaram para 22 o número de mortos no entorno da pousada Sankay.

Mais cedo, outros três corpos haviam sido resgatados no Morro da Carioca, na região central de Angra dos Reis. Só no Morro da Carioca, os mortos são 12. No total do estado, as vítimas da chuva que atingiu diversas cidades entre a quarta-feira (30) e a sexta-feira (1º) são 63.

Cães farejadores auxiliam nos esforços de busca por pelo menos cinco desaparecidos. Segundo o subcomandante do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, José Paulo, foram enviados mais 60 homens da capital fluminense para o reforço das ações em Angra.

O governador Sérgio Cabral sobrevoou na manhã toda a área de Ilha de Grande e Angra dos Reis, e defendeu uma "política séria de solo" em todo o estado do Rio. Em conversa por telefone com Cabral, o presidente Lula prometeu ajudar as vítimas da chuva.

"Solo urbano é um problema de todos. Não se pode brincar com o solo. Os americanos não brincam com o frio", disse o governador em entrevista à Rádio CBN, neste sábado (2). Ele também enfatizou a importância de se rever a construção em locais de risco.

Corpos identificados

Na manhã deste sábado (2), outros três corpos encontrados na área de deslizamento em Ilha Grande foram entregues ao IML do Rio. Pouco antes da chegada desses corpos, outro corpo, que já estava no IML, havia sido identificado como Ricardo Ferreira da Silva.

Ricardo, que passava o réveillon com um grupo de amigos de Arujá, era namorado de Natália Pacheco, uma das vítimas identificadas no IML de Angra dos Reis. Segundo parentes, os dois estavam de casamento marcado para março.

No Rio, foram identificados ainda Marcio Luiz Baccin, 31 anos, Cecília Secco Baccin, 30, e o filho Giovane Secco Baccin, 3, os três de Arujá. Além deles, também foram identificados Renato de Assis Repetto, 50, Gabriela Ribaski Repetto, 9, Geovana Ribaski Repetto, 12 e Ilza Maria Roland, 50.

Apesar das identificações, os parentes reclamam da demora na liberação dos corpos. O IML informa que, para que o nome da vítima conste no atestado de óbito, o procedimento padrão do instituto exige documentos originais da vítima e da pessoa que a identifica.

Fonte: g1, www.g1.com.br