Acidentes de motos somam 868 vítimas entre janeiro e setembro

Acidentes envolvendo motoristas de carro somaram apenas 259 casos no mesmo período, em THE

O número de acidentes envolvendo motocicletas em Teresina é alarmante. Somente de janeiro a setembro deste ano o Hospital de Urgência de Teresina(HUT) já atendeu 868 vítimas. Número bem maior que os acidentes que envolvem motoristas de carro, que no mesmo período somaram apenas 259 casos.

Nos últimos 10 anos, mais 8.200 pessoas sofreram acidentes de motos em Teresina. O número tão grande se deve à falta de cuidado por parte dos motociclistas, ainda, pelo desrespeito a eles por parte dos condutores de automóveis.

É o que pensa o presidente do Sindicato dos Mototaxistas de Teresina, Celso Luís Pereira. ?Muita gente que pilota motos em Teresina é irresponsável no trânsito, por isso o número de acidentes é alto?.

De acordo com ele, os mototaxistas da cidade são conscientes de seus deveres no trânsito e não costumam se envolver em acidentes, graças à preparação que recebem quando começam a exercer a profissão.

?Antes de fazer parte da categoria, os profissionais são treinados para trabalhar como mototaxistas. Apesar de ter habilitação para pilotar motos, eles precisam passar por um novo curso de direção defensiva?.

Os dados do HUT reforçam a declaração do presidente. Do total de acidentes com motos registrados até o final de setembro, apenas 18 envolveram os profissionais da classe e a maioria deles foi provocado por motoristas embriagados que invadiram a preferencial.

?Muitos desses acidentes acontecem no final de semana, quando há uma fiscalização menor no trânsito da cidade. Condutores irresponsáveis se embriagam e saem dirigindo descontroladamente pelas ruas de Teresina e acabem se chocando com quem anda respeitando a lei?.

Há dois meses o mototaxista Elesbão foi acidentado quando passava em uma rua no Parque Jurema. Ele foi surpreendido por um Corcel II, que invadiu a preferencial.

O mototaxista teve a perna direita fraturada e não foi socorrido pelo motorista que causou o acidente. Impossibilitado de trabalhar, ele atualmente vive com a ajuda dos amigos da categoria que fazem doação de alimentos e bingos para a arrecadação de dinheiro para ele se manter com sua família.

O mototaxista lamenta ter que passar por essa situação e acha que os motociclistas são desrespeitados no trânsito. ?É lamentável ter que passar pelo que eu estou passando.

Os motoristas agem como se fossem os donos das ruas e não estão nem aí para os motoqueiros. E quem anda respeitando o trânsito como eu, às vezes fica prejudicado. É triste ter que ficar sem trabalhar por conta de um motorista irresponsável?.

Strans registra 4 mil infrações de motociclistas em 2010

Para a gerente de educação no trânsito da Superintendência Municipal de Trânsito e Transporte de Teresina (Strans), Audea Lima, o grande número de registros de acidentes envolvendo motocicletas na cidade se deve à má formação de condutores e à falta de educação de muitos deles. Só em 2010 a Strans registrou quase quatro mil infrações, onde os motociclistas não utilizavam os equipamentos de segurança necessário.

"Os condutores que trafegam pela cidade não foram bem formados nos centros de formação de condutores. Aliado a isso a falta de educação de muitos deles contribui para um número elevado de acidentes", comenta a gerente.

Para conter a onda de acidentes com motociclistas na cidade, a Superintendência de Trânsito tem feito campanhas para reduzir os números. Sempre são realizadas blitz e educativas pelas ruas de Teresina, com o intuito de conscientizar os condutores.

Nelas os profissionais da Strans percebem que muita gente não usa os equipamentos de segurança e quando usam não fazem de forma adequada. "De 10 motociclistas que estavam com capacete, sete deles, ou colocou o equipamento em apenas parte da cabeça ou não estava usando a cinta que evita que o capacete se solte da cabeça em caso de queda".

Além das blitz e a Strans realiza em parceria com o Ministério da Saúde projeto "Vida no Transito". O objetivo dele é melhorar o trânsito de forma geral, mas Superintendência vai propor ao Ministério da Saúde um plano de ação voltado aos motociclistas.

Para isso ela fez uma coleta de dados em vários orgãos públicos para se ter uma dimensão do problema dos acidentes com motoqueiros na cidade. Os dados serão apresentados ao pessoal do ministério nos dias 14 e 15 deste mês. As metas do Vida no Transito é realizar ações sistemáticas de educação no trânsito. (C.D. e G.S.)





Fonte: Carolina Durães, Jornal Meio Norte