THE: Acidentes com motos já fizeram 163 vítimas

THE: Acidentes com motos já fizeram 163 vítimas

Nos dois primeiros meses do ano, o CIPTRAN registrou 186 acidentes envolvendo motociclistas.

Nos dois primeiros meses do ano, o número de acidentes envolvendo motociclistas, em Teresina chegou a 186.

Segundo o comandante da Companhia Independente de Polícia de Trânsito (CIPTRAN), major Leandro Castelo, um dos motivos para o alto número de acidentes é a falta de habilitação dos motociclistas.

De acordo com o major Castelo, essa também está no ranking das maiores irregularidades encontradas nas vias de Teresina. ?Os nossos problemas com motos são um caso atípico em Teresina. Nós temos dificuldades de controlar os acidentes, pois temos a presença muito grande de pessoas não habilitadas conduzindo esses veículos. Além disso, a maioria dos condutores não usa capacetes. Há ainda o fato de as motos não serem licenciadas?, disse o major, acrescentando que os acidentes graves na maioria das vezes envolve condutores sem capacete.

Dados do CIPTRAN mostram que foram registrados em Teresina, nos meses de janeiro e fevereiro, 154 acidentes com vítimas e 32 sem vítimas. No total foram 163 vítimas, das quais, seis vieram a óbito. ?Apesar do número de acidentes ser ainda muito preocupante, ele foi menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, mas em compensação cresceu o número de mortes?, comentou o major.

Segundo Castelo, as vias da capital onde são registrados os maiores números de acidentes são aquelas mais movimentadas, como a Avenida Miguel Rosa, Avenida Presidente Kennedy e as avenidas do bairro Dirceu, na zona Sudeste de Teresina. ?Essas são avenidas muito movimentadas e com os maiores fluxos de motos e por isso os acidentes são mais comuns nestes locais?, explicou.

O major acrescenta que estão sendo realizados trabalhos e campanhas no sentido de diminuir esses números. ?Nós estamos realizando campanhas não só em Teresina como em cidades do interior para tentar mudar essa realidade, mas parece que as pessoas não conseguem se dar conta da necessidade de usar o capacete e de andar de forma regular. Falta de informação não é, pois nós estamos realizando trabalho no sentido de informar e educar as pessoas?, pontuou.

Fonte: Pollyanna Carvalho