Adaptações com ingredientes regionais reinventam a culinária no PI

"Existe, sim, uma valorização muito grande da nossa comida"

Muitas receitas tradicionais podem ganhar ingredientes regionais, formar novas composições e originar novos pratos adaptados à nossa culinária regional com o foco na preservação das potencialidades locais. No Piauí, os pratos típicos de outros países ganham versões nordestinas e até mesmo piauienses nas mãos de chefs da culinária e até mesmo de pessoas comuns que têm o dom de cozinhar.

“Essas adaptações são feitas porque nossos produtos são muito bons, de qualidade, além de serem bem valorizados no mercado da gastronomia nacional”, diz o chef de cozinha Domingos Morais.

De acordo com o profissional, muitos chefs e cozinheiros têm certa dificuldade em encontrar alguns produtos que compõem pratos de outras regiões, por isso, as adaptações se encaixam perfeitamente na substituição desses produtos, além de valorizar os produtos regionais.

Image title

“Grandes chefs da região Nordeste e Norte já utilizam os nossos produtos nos pratos deles devido à riqueza de sabores e valorização. O caju, por exemplo, e todos os seus componentes, que vão da castanha até a cajuína, servem tanto para entrada, prato principal e até a sobremesa. Eu tenho alguns pratos que utilizam técnicas francesas de finalização de cozimentos e se encaixam perfeitamente como molho de acompanhamento. Essas adaptações que a gente faz combinam muito bem com os pratos de fora”, declarou.

Além da bebida, o chef diz que em seu cardápio utiliza carne de carneiro para fazer risoto, a própria carne de sol e até o capote com o prato “Confin de Capote”, em que utiliza as técnicas francesas em seu cozimento. O prato acompanha o baião de dois, queijo coalho e a manteiga de garrafa. “O diferencial é que tem um cozimento lento e de baixa temperatura. Essa é a técnica que utilizamos e é bastante utilizada na Europa. Agora nós adaptamos e se encaixa muito bem na finalização do prato”, disse.

Domingos Morais declarou ainda que o público aprovou essas combinações de temperos, ingredientes e técnicas de preparo combinadas com os pratos locais. Ele, que vai completar 20 anos de gastronomia, é natural de Piripiri, mas morou 19 anos em São Paulo, onde trabalhou por 8 chefiando a cozinha de uma das maiores redes de restaurantes da capital paulista. Ele disse que a culinária piauiense teve grande reconhecimento e aceitação fora do Estado.

“Nós podemos citar como um grande exemplo Alex Atala, que é um chef conhecido internacionalmente e utiliza muitos dos nossos produtos na composição dos seus pratos. Então, existe, sim, uma valorização muito grande da nossa comida lá fora também”, falou.

Outros pratos conhecidos que fazem deliciosas combinações são a pizza de carne de sol; lasanha de carne de sol com abóbora; o sushi de pizza, que é um prato asiático com uma versão italiana e até o sushi de carne de sol. Aqui no Piauí usa-se também o cream cheese e a fritura, que são mais pesados, mas fazem parte do gosto popular brasileiro.

Image title


Expedição revela culinária piauiense

Uma expedição gastronômica realizada por grandes nomes da culinária brasileira como Ana Luiza Trajano e Flávia Quaresma, revelaram as delícias do Piauí e suas adaptações para a criação de um menu especial com comidas típicas piauienses. Elas promovem um concurso gastronômico, com abertura neste domingo (23), no Parque Potycabana que segue até o próximo dia 7 de setembro. O evento nasceu da parceria entre o Sebrae e instituições de ensino de Teresina para fomentar a pesquisa e revelar talentos e pratos.

Há 26 anos envolvido no mundo gastronômico, o chef Naim Santos diz que sempre busca valorizar os pratos tradicionais do Piauí. Após morar em São Paulo e Rio de Janeiro, ele ressalta que a primeira característica que buscou em suas receitas foi valorizar os produtos do Piauí e, assim, passou a criar novos pratos como o arroz com castanha do caju.

“A valorização dos produtos parte muito da criatividade de cada chef que utiliza os ingredientes do Estado e, assim, divulga as nossas delícias como abóbora, macaxeira, carne de sol, carneiro, batata doce e milho verde. Eu criei um prato de nhoque de macaxeira que acompanha creme de parmesão e camarão que é um adaptação da receita italiana”, afirmou.

Ele avalia o primeiro Festival Gastronômico Maria Isabel, realizado na capital piauiense, por chefs nacionais, como positivo para valorização da legalização das receitas de comidas regionais.

O evento acontece em uma arena climatizada montada na Potycabana, com estandes dos estabelecimentos participantes e apresentações culturais. Os pratos serão comercializados ao preço único de R$ 15 e parte da renda obtida será doada à Fundação Padre Antônio Dante Civiero (Funaci).

O Sebrae vai ministrar oficinas gratuitas na sua própria sede, onde serão ensinadas receitas criadas pelos grandes nomes da culinária com ingredientes típicos do Piauí. As capacitações, com 200 vagas são destinadas a estudantes, chefs, cozinheiros e demais pessoas interessadas em aprender sobre culinária regional.

Fonte: Waldelúcio Barbosa