Alerta: Zika é confirmada na Espanha, Inglaterra, Itália e Portugal

A doença está se alastrando pelo mundo.

A Itália registrou quatro casos de contágio do vírus zika em março de 2015, informou neste domingo (24) a imprensa local. Os pacientes, procedentes do Brasil, recuperaram-se totalmente. Entre os casos, três foram tratados no hospital Lazzaro Spallanzani, em Roma, especializado em doenças infecciosas, enquanto o quarto foi hospitalizado em Florença.

Zica está se alastrando no mundo (Crédito: Reprodução)
Zika está se alastrando no mundo (Crédito: Reprodução)


Reino Unido


Neste sábado, o serviço público de saúde da Inglaterra tinha confirmado três casos da infecção em britânicos que retornaram ao Reino Unido após viagens à América do Sul. Eles foram infectados na Colômbia, Suriname e Guiana. O governo britânico ressaltou que o zika vírus "não se encontra de forma natural" nas ilhas britânicas e que "não se contagia diretamente de pessoa a pessoa".

Espanha


Na sexta-feira, a imprensa noticiou que duas mulheres também foram diagnosticadas com zika na Espanha, segundo a agência EFE. Elas são da Améria do Sul e vivem na Catalunha. De acordo com autoridades de saúde, elas foram infectadas durante viagens para seus países de origem no fim do ano passado. Não há risco para a população da região.

Portugal


Já em Portugal, foram confirmados quatro casos de zika em portugueses que voltaramde viagens ao Brasil, segundo comunicado publicado pela Direção-Geral da Saúde do país em 15 de janeiro.

Estados Unidos


Nesta sexta-feira, autoridades de saúde do estado de Nova York, nos Estados Unidos, divulgaram que três pessoas testaram positivo para o vírus da zika. Segundo o jornal New York Times, todos os infectados viajaram para países onde o vírus está se espalhando com rapidez. O Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) informou que, entre 2015 e 2016, 12 casos de zika foram confirmados no país. Em todos eles, os pacientes foram contaminados durante viagens a outros países.

Fonte: Com informações do G1