Animal de estimação deve ser preparado para a chegada do bebê

No início da gestação, o animal chegou a morder a dona. Para a veterinária Rubia Burnier

Quando a universitária Silvana Lima, 35, descobriu a gravidez, há oito meses, não sabia dos problemas que teria com Preto, seu cachorro SRD (sem raça definida) de oito anos, que, até então, era o único "filho" da casa. Prestes a ter o bebê, sofre com o comportamento estranho do animal, que, por vezes, pula em sua barriga, uiva quando escuta choro de criança, faz xixi pela casa inteira.

No início da gestação, o animal chegou a morder a dona. Para a veterinária Rubia Burnier, especialista em comportamento animal, tal atitude revela o quão confuso o bicho está. "É muito difícil para o cão sentir que está perdendo espaço quando ele é o líder", diz. "Isso estimula uma mudança de comportamento que pode ser perigosa."

Para o zootecnista Alexandre Rossi, a situação é administrável. "Se o novo momento for tratado com naturalidade e o cachorro, com respeito, tudo dará certo."

Com os gatos é diferente. Rubia diz que os felinos são mais territoriais e menos dependentes. O que pode incomodá-los são o choro da criança e a movimentação da casa com o nascimento. "O comportamento dos gatos deve ser observado, diferente das atitudes dos cães, que merecem atenção especial", compara.

Bem antes de engravidar, Silvana conheceu Preto em um episódio inusitado. Ao estacionar o carro, não percebeu que um cão de rua havia entrado nele. Isso já faz seis anos e, desde então, ela e o marido tratam o animal como uma criança. "Não tínhamos filhos e estávamos atrás de um cachorro. Quando Preto nos adotou, veio ser o reizinho do lar."

A maternidade trouxe, além de desafios para a família, remanejo de ambientes na casa. Para a tristeza do cachorro, significou perda de espaço. Quando Letícia nascer, dormirá no antigo escritório que, agora, se tornou quarto da criança. Antes, era um dos lugares prediletos de Preto. "Ele só dormia lá", lamenta Silvana.

O cão anda desnorteado com tantas mudanças. Com a troca de móveis de lugar, por exemplo, perdeu seus referenciais. "O vejo perdido dentro de casa e fico muito aflita", diz a dona. "Ele está sofrendo com a nova situação e não sei direito como ajudar."

Rubia alerta para o perigo de tratar pets como filhos: "A relação é diferente. Podemos amá-los, mas temos que respeitá-los como animal". Segundo a especialista, é comum pessoas colocarem bichos no lugar de filhos. Quando o herdeiro chega, o antigo dono do pedaço entra em crise diante da natural diminuição da atenção antes dispensada a eles. "Já atendi cachorros que perderam todo o pelo quando a verdadeira criança da casa nasceu", diz a veterinária.

Rossi também constata que o excesso de mimos atrapalha."Para o animal, é muito fácil ter ciúmes da criança, já que associará a ela a falta de regalias." O veterinário acompanhou o caso de um cão que atacou um bebê no rosto. A menina, de oito meses, passou por uma cirurgia plástica.

A solução para evitar casos como esse não é desistir do animal. Os especialistas elencam medidas simples para preparar a família e o pet para o novo momento. Uma delas é, antes de a criança chegar, simular um passeio pela casa com carrinho de bebê, se possível, perfumado com o talco que a criança for usar. Isso ajuda no reconhecimento.

Foi o que fez o administrador de empresas Jo Achim Liebert, 43, dono de Frida, uma SRD de cinco anos que, durante três, foi a princesinha do lar. Pai de Bruna, 3, e Júlia, 1, ele preparou o terreno para a chegada das meninas. "Quando Bruna nasceu, a primeira coisa que fiz foi levar a roupa dela para Frida cheirar."

Além disso, Liebert assumiu o papel de líder que Frida via, até então, em sua mulher. Ao trocar de papéis, a cadela não se ressentiu com o fato de sua dona não ter mais tempo para as antigas atividades. Quando as meninas nasceram, já era ele quem a levava para passear e dava comida.

A família Liebert também envolveu o animal em todos os momentos. "Como era tudo muito normal para nós, Frida encarou a mudança com tranquilidade. Ela não perdeu seus espaços e continuamos a tratá-la como se nada tivesse mudado."

Um outra questão que se coloca é sanitária. Rubia diz que crianças que têm contato com animais domésticos desde o nascimento estão mais protegidas contra alergias. Adquirem anticorpos mais resistentes do que as que não têm cachorros.

Para Rossi, não existe hora certa para expor a criança ao animal, isso depende do momento em que os pais estarão seguros para fazer a aproximação. "Muitas crianças começam a amar o cachorro da família desde o primeiro dia de vida."

Dicas para preparar seu animal

- Passear de carrinho pela casa, antes do nascimento do bebê, para que o animal entenda a futura rotina.

- Simular banhos e amamentação para que o animal aprenda a respeitar, sem crise, tais momentos entre a mãe e o bebê.

- Fazer com que o pet tenha bons momentos perto da criança da casa, dando comida e fazendo brincadeiras não apenas quando o bebê estiver longe.

- Respeitar os espaços do animal, tentando não mudá-lo de ambiente, o que dá segurança e ajuda a administrar o ciúme.

- Não deixar a criança, ainda engatinhando, chegar perto do animal quando ele estiver comendo ou bebendo água.

- Envolver o pet e fazê-lo entender que ele faz parte da família, o que traz segurança e tranquilidade.

- Vigiar sempre, pois o bicho, por mais dócil que seja, não deve ficar sozinho com uma criança pequena.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br