Homem é achado vivo dentro de banheiro após dias dentro do mar

Homem é achado vivo dentro de banheiro após dias dentro do mar

Harrison Okene estava em navio quando chuvas fortes o afundaram.

Harrison Okene, de 29 anos, estava no fundo do mar, dentro de um banheiro de um navio rebocador, quando foi encontrado por mergulhadores. Okene passou mais de 60 horas respirando graças a uma bolha de ar que se formou ali na hora do naufrágio, no dia 26 de maio, a 30 quilômetros da costa da Nigéria. Okene tinha certeza de que ia morrer.

O cozinheiro de 29 anos estava dentro do rebocador "Jascon-4" quando chuvas fortes atingiram o navio no oceano Atlântico. Das 12 pessoas a bordo, só ele foi encontrado com vida.

"Eu estava lá na água em total escuridão e tinha certeza de que era o fim. Fiquei pensando que a água ia encher a sala, mas isso não aconteceu", disse o rapaz, que contou também que partes da sua pele descascando após dias de imersão na água salgada.

"Eu estava com tanta fome, mas principalmente, com muita sede. A água salgada tirou a pele da minha boca", disse ele.

Às 4:50, Okene diz que estava no banheiro quando percebeu que o rebocador estava começando a virar. Como a água entrou e o navio virou, ele forçou a porta de metal.

"Três rapazes estavam na minha frente e de repente a água entrou muito forte. Vi o primeiro, o segundo, o terceiro apenas sendo levados. Eu sabia que esses caras já estariam mortos?, disse ele à Reuters.

O que ele não sabia era que ele iria passar os próximos dois dias e meio preso no fundo do mar rezando para que ele fosse encontrado.

Para ser resgatado, Okene foi arrastado ao longo de uma estreita passagem entre o banheiro e o quarto. Para a surpresa dos mergulhadores, ele ainda estava respirando.

Peixes comendo cadáveres

Okene, vestindo apenas cueca, sobreviveu a cerca de um dia no banheiro quadrado de quatro pés, segurando a bacia virada para manter a cabeça fora da água, que só enchia uma parte do banheiro, permitindo com que o rapaz respirasse.

Ele sentiu que ele não estava sozinho na escuridão. "Estava muito, muito frio e estava muito escuro. Eu não conseguia ver nada", diz Okene.

"Mas eu podia perceber os corpos da minha tripulação estavam nas proximidades. Que eu podia sentir o cheiro deles. Veio o peixe e começou a comer os corpos. Eu podia ouvir o som. Foi um horror."

Okene não sabia que uma equipe de mergulhadores enviada pela Chevron e os proprietários do navio, Ventures África Ocidental, estavam à procura de membros da tripulaçãoe pensavam que todos já estariam mortos.

Em seguida, na tarde de 28 de maio de Okene ouviu.

"Ouvi um som de um martelo batendo no navio. Boom, boom, boom. Nadei para baixo e encontrei um dispensador de água. Puxei o filtro de água e martelei o lado do navio esperando que alguém me ouvisse. Então, o mergulhador deve ter ouvido um som."

Os mergulhadores invadiram o navio e Okene viu a luz de uma lanterna, presa à cabeça de alguém que nadava em sua direção.

"Quando eu comecei a acenar, ele ficou chocado?, disse Okene, seu alívio ainda visível. Ele pensou que estava no fundo do mar, embora a empresa afirme a distância era de 30 metros abaixo.

A equipe de mergulho colocou em Okene uma máscara de oxigênio, roupas de mergulhador e um capacete para que ele conseguisse chegar à superfície, mais de 60 horas depois que o navio afundou.

O cozinheiro descreve a sua extraordinária história de sobrevivência como um "milagre", mas a memória de seu tempo na escuridão ainda o assombra, e ele não tem certeza se um dia voltará para o mar.

"Quando estou em casa, às vezes parece que a cama que eu estou dormindo está afundando. Acho que ainda estou no mar novamente", Okene disse, balançando a cabeça.

"Eu não sei o que parou a água enchendo o quarto. Eu só fiquei chamando a Deus. Ele me protegeu. Foi um milagre."

Fonte: G1