Mãe assiste a matéria sobre trabalho escravo e reconhece seu filho sumido

Emocionada, a moradora de Campos dos Goytacazes foi até a delegacia da cidade nesta segunda-feira (28) para o tão sonhado reencontro.



Após oito anos sem ver o filho, já considerando que ele estivesse morto, a pensionista Rita Mota Rosa, de 72 anos, teve uma surpresa ao assistir a uma reportagem sobre trabalho análogo à escravidão em São Fidélis, no Norte Fluminense, neste final de semana. Entre os homens libertados pela polícia, que viviam em condições sub-humanas e sem receber, estava Romário Mota Rosa, de 33 anos, filho de dona Rita. Emocionada, a moradora de Campos dos Goytacazes foi até a delegacia da cidade nesta segunda-feira (28) para o tão sonhado reencontro.

?Eu estava em casa e chegou um rapaz lá falando que meu filho estava passando na televisão. Eu nem acreditei que era ele. Todo mundo começou a chorar lá em casa e eu vim atrás dele. Nós ficamos esse tempo todo sem notícia e eu sempre rezava pra que ele estivesse vivo e voltasse um dia?, contou a mãe, que durante anos peregrinou pelas delegacias da região em busca de notícias.

A ação da polícia ocorreu na tarde de sábado (26), em uma fazenda de São Fidélis, depois que um dos quatro trabalhadores conseguiu fugir e pedir socorro à polícia.

Ao chegar e fazer buscas pelo local, a polícia encontrou os trabalhadores escondidos em uma espécie de valeta dentro da propriedade, segundo eles, por ordem do patrão, conforme Romário relatou à equipe do G1.

"A gente estava igual a um porco na lama. Eu ainda tentei fugir, porque pensei que fossem bater na gente de novo, aí o policial disse que a gente estava livre?.

Tortura

?A gente passou por muita dificuldade e imaginava que ia morrer a qualquer momento. Saí de Campos e fui procurar emprego em São Fidélis e ele (o dono da fazenda onde Romário trabalhava) me perguntou só se eu bebia e fumava e me contratou. Depois ele não quis me pagar, ficava enrolando. A gente comia só arroz e canjica e ganhava fumo e cachaça?, contou Romário.

Segundo declaração à polícia, eles eram sempre vigiados. Após o trabalho, de 4h às 17h, todos eram levados para um cômodo com um banheiro onde ficavam trancados sem a menor condição de higiene e estrutura precária.

?Ninguém podia reclamar. Lá na fazenda eles já avançaram com um cavalo em cima da gente e batiam com pedaço de pau e até com chicote. A gente vivia igual bicho. Eu já tentei fugir, mas eles conseguiram me pegar. Sempre tive medo de fazerem algo com a minha família?, desabafou Romário.

Três homens presos durante ação

Durante a ação de resgate da polícia, Paulo César Azevedo Girão, de 59 anos, que é dono da fazenda onde os homens trabalhavam, foi preso em flagrante. Também foram presos o filho dele, Marcelo Conceição Azevedo Girão, 33 anos, e o caseiro Roberto Melo de Araújo, de 38 anos. Os três já estão no Presídio Público Carlos Tinoco da Fonseca, em Campos.

Eles vão responder pelo crime de "redução à condição análoga a de escravo" e podem pegar de 2 a 8 anos de prisão. A polícia está apurando também a suspeita de crime de tortura.

Liberdade

Divorciado na época que desapareceu, agora, o trabalhador espera recomeçar a vida em um emprego digno e reencontrar a filha, que ele calcula ter cerca de 10 anos. Uma equipe da Prefeitura de Campos que acompanha o caso vai auxiliar os trabalhadores na aquisição de documentos, além de prestar apoio psicológico e encaminhamento para o mercado de trabalho.

?Eu só tenho a agradecer a todos os policiais que foram verdadeiros heróis para a gente e também a todo mundo que "tá" ajudando. Tudo parece um sonho?, concluiu Romário.



Três homens foram libertados após um quarto trabalhador fugir do local e denunciar o caso na polícia



Trabalhadores viviam trancados em cômodo e eram vigiados

Fonte: G1