Após ameaças, autor de famosa escadaria no RJ é achado morto

Após ameaças, autor de famosa escadaria no RJ é achado morto

Em entrevista ao Globo, ele havia afirmado que estava sendo ameaçado por ex-colaborador de seu atelier.

O pintor e ceramista chileno Jorge Selarón, de 65 anos, foi encontrado morto na Escadaria do Convento de Santa Teresa, que liga o bairro à Lapa, na manhã desta quinta-feira. O corpo de Selarón - autor do mosaico de cores que transformou os 215 degraus da escadaria num intenso ponto de visitação turística - permanece no local e está com marcas de queimadura. Ao lado dele, há uma lata de thinner - um solvente de tintas. O clima é de muita comoção no local, e diversas velas foram acessas. Um amigo do artista, que não quis se identificar, disse que ele andava muito depressivo desde que passou a ser ameaçado e que há mais de um mês o pintor vivia trancado em casa. Muito diferente do que o Selarón fazia habitualmente - que era passar o dia inteiro na escadaria conversando com turistas e mostrando seus trabalhos.

? A gente já esperava que ele chegasse ao limite e pusesse fim à própria vida. Ele andava muito triste e dizia que foi traído ? contou um amigo, aos prantos.

Ainda não há informações sobre a motivação da morte do artista. Em entrevista ao Globo, Selarón afirmava que estava sob ameaça de um ex-colaborador de seu atelier. Paulo Sérgio Rabello, cujo irmão e sobrinho estão presos por envolvimento com o tráfico de drogas na região, ameaçou esfaquear o artista em duas ocasiões para obrigá-lo a ceder os rendimentos obtidos com a venda de quadros.

? Eu ajudei muito esse rapaz. Mas ele cresceu o olho, queria tudo, queria os quadros, os lucros. E olha que eu o tinha mandado para Londres, Paris, Barcelona. Como não concordei com isso, as ameaças começaram em novembro do ano passado e não pararam mais. Ele não se conformou ? dissera Selarón.

Tudo começou quando, em novembro, Selarón viajou de férias para Paraty e deixou Paulo pela primeira vez à frente dos negócios. O artista o conhecia há cinco anos, quando passou a lhe encomendar trabalhos impressos de suas pinturas. Na ausência de Selerón, Paulo começou a se desentender com outros colaboradores do pintor, entre eles seu secretário, o argentino Cesar Gomez. Segundo Gomez, logo que Selarón retornou, Paulo pediu que o artista demitisse o próprio Gomez e mais outros dois.

? Selarón disse que não faria aquilo de jeito algum e resolveu romper com Paulo. Ele disse então que, se ele não ganharia mais dinheiro, Selarón também não ganharia mais nada. ? afirmou Cesar.

A situação se agravou mesmo na manhã de 23 de novembro de 2012, quando Selarón, como de hábito, pintava quadros na calçada de seu atelier na escadaria. Paulo, contou ele, derrubou seus quadros, danificando cavalete e material de pintura. Assustado, o artista foi à 7ª DP (Santa Teresa) registrar as ameaças, que mesmo assim não cessaram. Além de ameaçar Selarón, Paulo passou a amedrontar Cesar e acabou o agredindo no último dia 28. O delegado Eduardo Joaquim Baptista Filho informou, por meio da assessoria de imprensa da Polícia Civil, que o caso foi encaminhado ao Juizado Especial Criminal.

Tráfico intenso perto do atelier

Paulo Sérgio é irmão de Wilton Quintanilha Rebello, o Abelha, que cumpre pena por tráfico de drogas e roubo a banco numa penitenciária federal de segurança máxima. Ex-chefe do tráfico no Morro Santo Amaro, no Catete, Abelha também era apontado pela polícia como um dos responsáveis pelo controle da venda de drogas na Lapa, que passou a ser articulada por seu filho. Pablo Carlos Rebello foi preso em dezembro de 2011 numa operação da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (DEAT).

Na escadaria, por sinal, o tráfico de drogas tem sido intenso, de acordo com depoimentos de pessoas que frequentam a região. Há cenas como traficantes oferecendo maconha e cocaína em voz alta ressaltando os preços. Usuários, segundo relatos, chegam a consumir nos próprios degraus.

Selarón iniciou sua obra na década de 90, quando decidiu se radicar na Lapa e instalar azulejos na escadaria. O efeito visual passou a atrair turistas do mundo todo, e o artista vende seus quadros ali mesmo. Não à toa, muita gente a conhece como Escadaria Selarón. O lugar foi tombado pela prefeitura em 2005.

Fonte: OGlobo