Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Mascarados usaram gasolina e bombas, e ainda tentaram invadir a casa

Um grande protesto realizado no Centro do Rio, das 17h às 20h desta segunda-feira (7), começou com uma passeata pacífica que reuniu milhares de pessoas ? 10 mil, segundo a Polícia Militar, e 50 mil, de acordo com o sindicato de professores. Entre as reivindicações, melhores salários para os docentes (entenda). Às 20h30, no entanto, começou mais uma noite repleta de cenas de vandalismo, causada por uma minoria de ativistas mascarados, após o fim do protesto em apoio aos profissionais da educação, em greve desde 8 de agosto.

Desta vez, um grupo com cerca de 200 jovens pichou, quebrou janelas e tentou invadir e incendiar o Palácio Pedro Ernesto, sede da Câmara Municipal, na Cinelândia, dando início a uma série de vandalismos. Até então, poucos policiais tinham sido vistos nos arredores do protesto. Um agente que não quis se identificar confidenciou: "Recebemos ordem para não fazer nada. Ficamos entrincheirados no QG [quartel-general] e, pela primeira vez, começamos a trabalhar depois que fomos atacados", disse.


Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Um preso

Pelo menos 15 manifestantes foram detidos e levados para a 5ª DP (Mem de Sá). Um deles era menor de idade. Eles foram revistados e liberados porque nada que pudesse configurar o flagrante foi encontrado. Na mesma delegacia, um homem que se aproveitou do tumulto foi preso após ser achado com quatro aparelhos de televisão e pares de chinelo, em um ponto de ônibus próximo à Central do Brasil. A polícia investiga se ele furtou os produtos durante a confusão. Em depoimento, o preso negou o crime e disse que apenas recebeu o material. Ele foi autuado por receptação e, segundo a polícia, tem cinco passagens por furto na mesma região.

De acordo com advogados do Instituto de Defesa dos Direitos Humanos (DDH), outras duas delegacias receberam ativistas detidos. Um foi levado à 12ª DP (Copacabana), e outros três foram conduzidos à 17ª DP (São Cristóvão).

A violência dos ativistas dispersou o ato por volta das 20h30. Até então, seguia sem conflitos, apenas com palavras e faixas contra a política educacional do estado, em apoio à greve e contrário ao plano de cargos e salários aprovados pelos vereadores. As avenidas Presidente Vargas, onde a passeata começou, e Rio Branco, por onde seguiu até a Cinelândia, tiveram trechos interditados durante a noite, atrapalhando o trânsito.

A depredação chegou também ao Theatro Municipal, outro prédio centenário do Centro, ao lado da Câmara. Na sede do Legislativo, segundo a assessoria de imprensa da casa, agentes do grupamento especial da Guarda Municipal e o efetivo da Coordenadoria Militar conseguiram impedir a invasão. Os vândalos jogaram galões de gasolina e bombas caseiras pelas janelas, na tentativa de incendiar o prédio. A parte externa foi pichada com palavras contra o prefeito Eduardo Paes e o governador Sérgio Cabral.

Dispersos, os mascarados seguiram quebrando bancos, placas, pontos de ônibus e fazendo fogueiras com lixo e entulho por ruas do Centro, Glória e Lapa. Um ônibus foi incendiado próximo ao Cine Odeon, ainda na Cinelândia. Bombeiros controlaram o fogo. Ninguém ficou ferido. Outro coletivo, desta vez perto dos Arcos da Lapa, foi depredado. Segundo a Rio Ônibus, foram mais de dez veículos quebrados.

Câmara sem expediente nesta terça

Devido à depredação, a administração da Câmara Municipal informou que não haverá expediente nesta terça-feira (8). O prédio ficará fechado para a realização de perícia policial. "Apesar do incidente, a Câmara do Rio reforça que respeita os professores municipais e que estará sempre aberta ao diálogo democrático. Reconhece também que é legítimo o ato público promovido pela categoria e está ciente de que vândalos e baderneiros se infiltraram no movimento com claro propósito de destruir a sede do Legislativo Municipal".

TJ mantém decisão pelo fim da greve

O Tribunal de Justiça do Rio negou nesta segunda o recurso do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) contra a liminar que obriga os professores da rede municipal a voltar ao trabalho, sob multa de R$ 200 mil por dia. A decisão autoriza a prefeitura a cortar o ponto dos docentes a partir do dia 3 de setembro.

O Sepe disse que ainda vai se reunir com o advogado do sindicato para planejar os próximos passos. A coordenadora geral do Sepe, Marta Moraes, esclareceu que o sindicato não havia sido convocado pela prefeitura, até as 20h, para uma reunião no Palácio da Cidade nesta terça-feira (8), como informou o governo municipal. O encontro contará com a presença de diretores, pais de alunos e até professores em greve, mas que não fazem parte do Sepe.

Em greve desde o dia 8 de agosto, profissionais da rede estadual de educação fazem às 14h, no Clube Municipal, nova assembleia da categoria, para decidir os rumos da mobilização.

Plano de cargos de professores

Um grupo de vereadores da oposição esteve nesta segunda com a juíza da 5ª Vara de Fazenda Pública, Roseli Nalin, para conversar sobre a decisão da Justiça que poderia suspender em caráter liminar a votação do plano de cargos e salários aprovado no último dia 1º. Segundo os vereadores, a juíza informou que vai solicitar outras informações para a Câmara sobre os fatos ocorridos no dia da votação e a decisão deve sair até quarta (9).

Ela quer saber se havia condições para a realização de uma sessão apesar do tumulto nos arredores. Os vereadores entraram com ação na Justiça, no dia seguinte da votação do plano de cargos e salários, na Câmara dos Vereadores. No dia 1º de outubro, houve confronto policial com manifestantes na porta da Câmara enquanto os vereadores participavam da votação no plenário da casa.


Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio


Após ato pacífico de professores por melhorias na educação, grupo tenta incendiar Câmara do Rio

Fonte: G1