Após ter união estável anulada por um juiz, casal gay se casa em uma cerimônia no Rio

Após ter união estável anulada por um juiz, casal gay se casa em uma cerimônia no Rio

""Somos o primeiro casal a ter uma união estável registrada duas vezes"", disse

Uma cerimônia coletiva marcou hoje (22) a união homoafetiva de 43 casais. A celebração ocorreu no auditório da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos e contou com a presença do secretário do Ambiente e ex-ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, como padrinho. O celebrante foi o desembargador Siro Darlan.

O casal goiano Léo Mendes e Odilo Torres, que protagonizou uma recente polêmica ao ter sua união estável anulada por um juiz, depois validada por instância superior, participou da cerimônia. "Somos o primeiro casal a ter uma união estável registrada duas vezes. Para ver como é o preconceito no Brasil, que um gay é obrigado a registrar duas vezes sua união estável, para não vir um juiz e retirar um direito garantido pelo Supremo Tribunal Federal", disse Mendes.

O superintendente da secretaria, Claudio Nascimento, disse que a cerimônia é um desdobramento da decisão do Supremo de reconhecer a união homoafetiva. "Nós entendemos que era fundamental celebrar essa conquista e estimular a comunidade gay e lésbica de todo o Brasil a fazer o registro nos cartórios", disse Nascimento.

Para a garçonete Monique Pereira da Silva, o preconceito contra a união entre pessoas do mesmo sexo ainda existe, principalmente na própria família.."O dia de hoje representa o começo de uma estrada que a gente ainda tem muito a percorrer. Tem muitas famílias que até hoje não aceitam, então a gente ainda sofre muito com isso", disse Silva, que celebrou a união com a companheira, Tais Oliveira.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br