Asteroide que passará “raspando” na Terra em janeiro será observado por astrônomos

A rocha espacial chamada 2004 BL86, poderá passar a cerca de 1,19 milhão de quilômetro de distância, o equivalente a 3X a distância da Terra até a Lua.

A rocha espacial chamada 2004 BL86, poderá passar a cerca de 1,19 milhão de quilômetro de distância, o equivalente a 3X a distância da Terra até a Lua.

Embora esteja longe o suficiente para estarmos seguros, o sobrevoo do asteroide que deverá ocorrer dia 26 de janeiro, é considerado pelos astrônomos como algo “muito próximo” em termos de distâncias espaciais.

Isso é o mais próximo que um asteroide já passou da Terra nos últimos anos. Além disso, os astrônomos confirmam que outro asteroide de nome 1999 AN10, passará também próximo de nós no dia 07 de agosto de 2027.

As estimativas não são nada boas! De acordo com as mais modernas análises por computador, 1999 AN10, com 0,6 km de diâmetro, passará a apenas 390.000 km de distância (podendo ser 100.000 km a menos), o que equivale a distância da Terra à Lua, mas isso só veremos nos próximos anos.

O Dr. Don Yeomans, astrônomo aposentado da Nasa, comentou: “No dia 26 de janeiro deste ano, o asteroide 2004 BL86 passará próximo da Terra, e isso é o mais próximo que já ocorreu nos últimos 200 anos”.

Ele prossegue: “E enquanto ele não representa uma ameaça para a Terra, outro asteroide demonstra preocupação. Apesar de ser relativamente grande, devemos ficar tranquilos, pois ele irá nos oferecer uma oportunidade única para observá-lo a aprender cada vez mais”.

O asteroide do dia 26 de janeiro emitirá brilho suficiente para que astrônomos amadores possam observá-lo com binóculos mais potentes ou telescópios mais simples.

Os asteroides geram fascínio nos astrônomos e entusiastas do espaço por seres considerados os precursores dos “blocos de construção da vida”. Estima-se que muitos asteroides bombardearam a Terra, trazendo consigo água e elementos que proporcionaram o desenvolvimento das primeiras formas de vida.

Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Jornal Ciência