Audiências públicas na Assembleia discutem proteção aos animais

Audiências públicas na Assembleia discutem proteção aos animais

Atualmente, se um animal é encontrado na rua, o tutor não pode ser punido.

A Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais abriga, atualmente, 80 cães e 300 gatos, todos vítimas de abandono. O número é tão alto que a entidade não pode mais receber novos animais. A situação revela o desrespeito a que os bichos estão submetidos, pois aqueles que deveriam cuidar, não têm consciência sobre a importância da guarda responsável.

Para debater esses e outros temas, acontece nessa terça uma audiência pública na Assembleia Legislativa. O principal assunto é a criação da Delegacia de Proteção aos Animais. Segundo Conceição Braga, supervisora da APIPA, isso é importante para colocar em prática o que já existe na lei em relação ao cuidado com os animais.

Atualmente, se um animal é encontrado na rua, o tutor não pode ser punido. ?Os cuidados, as despesas, enfim, todas as responsabilidades com o bicho acabam sendo trasferidas para nós. Tem gente que quer nos obrigar a receber um animal, sendo que nós não recebemos qualquer apoio para isso?, afirma Conceição Braga.

Na segunda-feira, 4, foi realizada outra audiência pública, dessa vez na Câmara de Vereadores, para debater sobre a presença de animais em condomínios. Segundo representante do departamento jurídico da Apipa, o advogado Thiago Tardelli, alguns condomínios de Teresina apresentam uma postura bem radical. ?Uns exigem focinheira até para cães da raça yorkshire, o que é um absurdo?, defende Tardelli.

A vereadora Teresa Britto (PV), solicitante da audiência, acrescentou que vai solicitar da Secretaria Municipal de Meio Ambiente a realização de uma campanha em parceria com o Sindicato dos Condomínios de Teresina e da Apipa, para que os condomínios tomem conhecimento da lei que garante a presença de animais de estimação nesses locais.

Fonte: Nayara Felizardo