Bailarinos piauienses repassam suas experiências do Balé Bolshoi

Bailarinos piauienses repassam suas experiências do Balé Bolshoi

Bailarinos piauienses repassam suas experiências do Balé Bolshoi

Há mais de sete anos alunos de escolas municipais de Teresina tiveram que tomar decisões que mudariam drasticamente seus destinos, oriundos de regiões periféricas concentraram no balé a esperança de um novo amanhã, superando dificuldades e transpondo barreiras.

Ramon Diego, José Soares Júnior e Carolina Machado são exemplos de que os sonhos podem ser alcançados, hoje, atuam em companhias consagradas e provam que desistir nunca é a melhor saída.

No intuito de repassar essa mensagem de perseverança e determinação, os três bailarinos estiveram na manhã da última terça (05), no Centro de Formação Odilon Nunes, realizando apresentações e contando um pouco sobre a experiência de adotar a dança como uma profissão.

O momento de integração contou com a participação de 270 alunos, na faixa etária de 9 a 11 anos, de escolas municipais que já enviaram estudantes para Joinville, cidade que abriga a única sede do Bolshoi fora da Rússia. O projeto social beneficiou dezenas de piauienses e ofereceu outras perspectivas a crianças e jovens da periferia.

Dentre as instituições participantes está a Escola Municipal Monsenhor Mateus Rufino, na qual Carolina Machado estudou até a transferência para Santa Catarina.

A bailarina atualmente difunde sua arte na Companhia de Dança Geysey Kirland Academy of Classical Ballet, de Nova Iorque e lembra da evolução que teve desde que escolheu viver o seu sonho.

“Passei por muitos caminhos que não foram fáceis. Nunca vou esquecer de onde vim, agradeço muito por estar nesse mundo do balé, desde cedo sonhava alto”, destaca. Machado ainda visiona as dificuldades enfrentadas. “Foi muito difícil, um choque cultural”, pontua.

Nesse retrospecto vitorioso vem o orgulho da família, que nunca imaginou ver a jovem atuando em grandes espetáculos internacionais. “Foi uma luta árdua, porém bonita, tem que aproveitar o máximo.

Ela saiu de casa com 10 anos de idade, sacrificou a juventude, deixou a família e hoje nós temos bastante orgulho dela”, aponta Rosa Machado madrinha da bailarina.

Aspirantes à participação nos testes do Bolshoi também estiveram presentes na ação e puderam acompanhar o talento dos bailarinos profissionais com apresentações voltadas para o Balé Clássico e a Dança Contemporânea. O valor do sucesso desses exemplos perpassa um simples ganho pessoal, e se torna referência para toda a sociedade.



 

Fonte: Francy Teixeira