Baixa umidade aumenta ida aos hospitais de THE

Baixa umidade aumenta ida aos hospitais de THE

Dificuldades respiratórias e ressecamento de boca, olhos, narinas e pele são os problemas mais comuns.

O intenso calor vivido pelo teresinense nos últimos dias, que chegou a registrar temperaturas máximas de até 42 graus Celsius, juntamente com o período de seca e de consequente queda da umidade relativa do ar tem tido efeitos graves.

Em todos os hospitais e postos de saúde da capital piauiense tem aumentando o número de casos onde crianças e idosos são levados com problemas respiratórios. Os dados são da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

No geral, as crianças e idosos atendidos nos hospitais de Teresina vão em busca de tratamento para esses problemas que já são típicos da época conhecida pelo teresinense como o B-R-O- BRÓ. Esses problemas são descritos como o aumento das crises alérgicas, dificuldades respiratórias e ressecamento de boca, olhos, narinas e pele. Além das famosas inflamações como rinites, laringites e sinusites.

A maior procura por tratamento é verificada nos Hospital Materno Infantil do Diceu, onde as mães buscam apoio para os problemas enfrentados pelos pequenos.

Apesar dos sintomas serem bem comuns, os médicos afirmam que os pais devem levar as crianças ao médico para que sejam examinadas e medicadas de forma correta, evitando a automedicação.

O uso inadequado de medicamentos pode levar desde a uma reação alérgica leve até mesmo a um quadro grave de intoxicação, além de mascarar alguns sintomas de uma doença mais grave, atrasando o diagnóstico e comprometendo o tratamento.

Segundo revisão dos dados fornecidos pelo Sistema Nacional de Intoxicações Tóxico-Farmacológicas da Fundação Oswaldo Cruz, nos últimos levantamentos foram registrados 112.760 casos de intoxicação humana com 511 óbitos.

Deve ser levado em consideração também que muitos casos não chegam ao conhecimento dos órgãos encarregados das estatísticas. Por conta disso, é que o acompanhamento médico é fundamental na hora de usar um medicamento, mesmo este sendo vendido sem obrigatoriedade de uma prescrição médica.

Os casos de problemas com o ambiente seco causados pela baixa umidade do ar são os mais diversos, registrados com maior frequência nas regiões Centro-Oeste , Nordeste e Sudeste, decorrentes, muitas vezes, dos danos ao meio ambiente, a começar pelo aumento das queimadas e pela falta de chuvas.


Baixa umidade aumenta ida aos hospitais

Para minimizar o problema, providências vão desde o consumo de muita água, sucos naturais e água de coco, até a necessidade de manter o ambiente doméstico limpo, sem o acúmulo de poeira, que desencadeia problemas alérgicos.

É importante também dormir em ambientes bem arejados e umedecidos, com toalhas molhadas ou umidificador de ar. Recomenda-se, ainda, evitar banhos quentes, que ressecam a pele, e o uso de ar-condicionado, porque ele retira umidade do ambiente.

Deve-se fazer uso constante de hidratantes, de manteiga de cacau para aliviar o ressecamento dos lábios, e lavar os olhos e narinas com soro fisiológico.

A Defesa Civil aconselha também evitar atividades físicas ao ar livre e exposição ao sol das 10h às 17h, além de não praticar exercícios físicos entre as 11h e as 15h. Deve-se, ainda, fugir de ambientes muito movimentados, que concentram maior quantidade de poluentes.

PESQUISA - A pesquisa semanal de preços dos medicamentos nas três principais redes de farmácias de Teresina mostra onde é mais vantajoso adquirir os medicamentos listados.

Em primeiro lugar com os preços mais vantajosos para o consumidor está a rede Drogarias Globo (R$ 765,38), seguida pelas Drogarias Big Ben (R$ 807,34). Em último lugar com o total mais alto para os medicamentos pesquisados ficou a rede de Farmácias Pague Menos (R$ 834,70).

Fonte: Marcilany Rodrigues