Bancários ameaçam greve no Piauí

As principais reivindicações dos bancários são reajuste salarial de 10% (

O Comando Nacional dos Bancários rejeitou, já na mesa de negociação, a proposta apresentada pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), na quinta-feira, dia 17. A justificativa afirma que a proposta não contempla as principais reivindicações da categoria. Os bancos propuseram a reposição da inflação (4,5% de reajuste), sem valorização dos pisos salariais e sem proteção aos empregos. Eles também negaram auxílio-educação e querem reduzir o auxílio-creche/babá de 83 para 71 meses.

Reunido após a negociação, o Comando Nacional decidiu encaminhar documento à Fenaban comunicando a rejeição da proposta e solicitando que apresentem nova proposta aos bancários até hoje, dia 23, para ser avaliada nas assembleias de todo o país. Caso os bancos mantenham esta proposta rebaixada, o Comando orientará a deflagração de greve nacional por tempo indeterminado, em todos os bancos, a partir de amanhã, dia 24.

As principais reivindicações dos bancários são reajuste salarial de 10% (reposição da inflação mais aumento real); Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de três salários mais R$ 3.850; valorização dos pisos (Portaria: R$ 1.432; Escriturário: R$ 2.047 (salário mínimo do Dieese); Caixa: R$ 2.763,45; Primeiro comissionado: R$ 3.477,00; Primeiro gerente: R$4. 605,73); auxílio-refeição: R$ 19,25; cesta-alimentação: R$ 465,00; 13ª cesta-alimentação: R$ 465,00; auxílio-creche/babá: R$ 465,00; fim das metas abusivas e do assédio moral; plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS) em todos os bancos, negociado com as entidades sindicais, além de outros.

Fonte: Flávio Moura