Bancários pedem acordo para evitar greve em todo Piauí

Objetivo é adiantar as negociações salariais

O Sindicato dos Bancários do Piauí (SEEBF-PI) lançou oficialmente ontem (12) a campanha Nacional dos Bancários 2015-2016. Com o tema “Exploração não tem perdão”, representantes da categoria expuseram as pautas de reivindicações da classe. O movimento tem como objetivo adiantar as negociações com os banqueiros e evitar a deflagração de uma possível greve.

O presidente do Sindicato, Arimatea Passos, conta que as exigências da categoria vão além do reajuste salarial. A equidade entre gêneros, por exemplo, está entre as principais pautas de reclamações da entidade. O SEEBF-PI afirma que existem situações nas agências bancárias localizadas no Piauí onde mulheres que exercem funções iguais a dos homens e ainda assim ganham salário inferior ao do sexo oposto.

“Queremos aumento de 16%, valorização do piso salarial no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.299,66 em junho), combate às metas abusivas e ao assédio moral, mais contratação de empregados e que homens, mulheres, gays e lésbicas, que todos os funcionários tenham o mesmo direito, a mesma condição de trabalho”, reivindica Arimatea Passos.

O presidente do Sindicato também ressalta que a categoria defende mais investimento em segurança. Matéria publicada recentemente no jornal Meio Norte revelou que o número de assaltos e arrombamentos a bancos nos seis primeiros meses de 2015 já ultrapassou o que foi registrado em todos 2014.

“Estamos com a minuta de revindicações bem equilibrada para que a gente possa envolver todosos bancários no movimento e consiga uma negociação rápida”, finaliza Arimatea Passos. Segundo o Sindicato, no Piauí existe uma média de 300 agências bancárias. A diretoria do SEEBF-PI vai fazer o lançamento da campanha nas regionais de Parnaíba, Floriano, Picos e Bom Jesus, todas no interior do Estado.

A última greve da categoria foi realizada em outubro do ano passado e durou sete dias. A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) propôs elevar o índice de reajuste de 7,35% para 8,5% nos salários e demais verbas salariais, de 8% para 9% nos pisos e 12,2% no vale-refeição e os bancários voltaram ao trabalho.

Fonte: Virgínia Santos e Izabella Pimentel