Bebê morre após parto difícil e família acusa hospital de descaso

Bebê morre após parto difícil e família acusa hospital de descaso

A gestante foi induzida ao trabalho de parto normal com pressão alta

Uma gestante perdeu o bebê logo após dar à luz no hospital Rocha Faria, em Campo Grande, zona oeste, onde os médicos decidiram iniciar trabalho de parto normal na mulher, com pressão alta. Daniele de Azevedo lembra que a filha chorava por não conseguir sugar leite do peito dela.

Em 6 de junho, os médicos do estabelecimento internaram a mulher, com 39 meses de gestação. Sem contrações ou sinal de parto, Daniele ficou sob observação de uma médica, que a informou sobre a realização de uma cirurgia cesariana, no dia seguinte, caso a pressão dela não baixasse.

Com mudança do plantão da noite, o profissional responsável por cuidar da gestante não procedeu da forma combinada. De acordo com Daniele, o médico pediu para ela tirar a calcinha e abrir as pernas.

? Ele disse para mim: ?Está vendo este comprimido? Então, eu vou colocá-lo em você para entrar em trabalho de parto. Sua pressão está alta e seu filho tem que nascer. A gente tem que tentar da forma natural? ? lembra Daniele.

O bebê nasceu dezesseis horas após a indução do parto, com dificuldade de sugar leite do peito da mãe. Daniele afirma que os médicos ouviram o choro da filha e não visitaram o quarto. Inconformada, ela caminhou até o banco de aleitamento da unidade médica, onde os profissionais constataram a presença de manchas roxas no corpo da criança.

Encaminhada para uma sala pediátrica, a médica descobriu um buraco na altura do pulmão da bebê, levada à UTI da unidade. Daniele lembra que, nesse momento, enfaixaram a cabeça da filha e pegaram uma seringa para aplicar a agulha na veia da menina. Com o sangue marrom, a bebê morreu ao meio dia.

De acordo com Daniele, os médicos informaram que a filha dela havia morrido por contaminação de uma doença pelo cordão umbilical. Realizados exames médicos, ela pôde confirmar a ausência de qualquer tipo de enfermidade no organismo dela.

Depois de ameaçar acionar a polícia, o hospital levou a criança ao IML (Instituto Médico Legal). Segundo laudo inicial do instituto, a recém-nascida morreu de broncoaspiração. Daniele não se conforma com a morte da filha.

? Por questão de 10 minutos, se uma pediatra tivesse aspirado minha filha, ela estaria aqui ? lamenta.

Fonte: r7