BNB apresenta o projeto da Transcerrados

A Transcerrados possui 330 quilômetros de extensão e corta toda a região do cerrado piauiense

O presidente do Banco do Nordeste do Piauí, Robert Smith, apresenta hoje(22) ao Governo do Estado, as 11 horas, no Palácio de Karnak, o resultado dos estudos de viabilidade econômica e orçamentária da Rodovia Transcerrados, feitos através do BNB. A instituição financeira e o Governo também devem firmar um termo de cooperação para a continuidade da elaboração de estudos do projeto de integração de bacias hidrográficas do Piauí.

?Por mais de um ano o BNB, em parceria com o Ministério do Planejamento, elaborou estudos sobre a Transcerrados. Concluímos nossa parte e vamos apresentar para o Governo do Piauí?, resume Luiz Carlos de Farias, diretor do Banco do Nordeste.

A Transcerrados possui 330 quilômetros de extensão e corta toda a região do cerrado piauiense, possibilitando melhoria da escoação da produção agrícola da região, especialmente de grãos. ?A rodovia existe, mas é carroçal. Por ser uma obra muito cara, o Governo optou por realizar uma PPP (Parceria Público Privada). É uma obra que deve gerar grande impacto na economia do Piauí por dar melhores condições de competitividade a seus produtores rurais ? através da redução de custos de escoamento?, destaca o diretor do BNB.

Segundo Luiz Carlos de Farias, o Governo deverá agora analisar o estudo e o orçamento apresentados. ?Caso seja homologado, após as eleições o Governo pode lançar o edital para as empresas interessadas em investir com recursos próprios ou financiados?, explica. ?Destacamos a importância da colaboração do Banco porque projetos levam anos e custam muito dinheiro?, complementa.

Integração de bacias

De acordo com Luiz Carlos de Farias, já foi concluída também a primeira parte dos estudos acerca da integração das bacias hidrográficas do Piauí com recursos do Banco Mundial. ?Esse projeto tem como objetivo integrar os grandes açudes do Piauí. Isso foi feito no Ceará com muito êxito?, comenta o diretor do BNB.

O Banco pretende financiar estudos em relação à construção de um canal ligando os açudes do Jenipapo, em São João do Piauí, e de Pedra Redonda, em Conceição do Canindé. ?Trata-se de um canal de 70 quilômetros de extensão. Mas esses estudos são além da obra, são estudos para a confecção de um plano de desenvolvimento?, acrescenta Luiz Carlos de Farias.

O diretor ressalta que esse plano de desenvolvimento contempla o suprimento da demanda de água na região entre os dois açudes e o fomento a projetos de agricultura irrigada, por exemplo. ?A estimativa de quando deve custar o estudo ainda será levantada, mas o Banco se compromete em executá-lo, já que é um banco de desenvolvimento?, afirma, ressaltando que a contrapartida do Governo do Estado deve ser a participação de sua equipe técnica na elaboração do estudo, através de fornecimento de informações e discussão das propostas.

Fonte: Assessoria