Buscas entram no 5º dia sem pistas definidas

FAB constatou que os primeiros materiais retirados do Atlântico não pertencem ao Airbus

O resgate das vítimas e a recuperação de partes do avião da Air France que desapareceu com 228 pessoas a bordo completa cinco dias nesta sexta-feira, sem a existência de dados concretos sobre a localização da aeronave. Após mais de 100 horas do acidente e de buscas realizadas em uma cobertura de 185.349 km², uma área equivalente ao território do Estado do Acre, não há sinais de sobreviventes, corpos ou pertences de passageiros e tripulantes.

Na quinta-feira, autoridades da Força Aérea Brasileira constataram que os primeiros materiais retirados do Atlântico não pertencem ao Airbus. Um suporte utilizado no transporte de cargas (pallet) de 2,5 m² e duas bóias, que se pensava que fossem do avião acidentado, foram os primeiros materiais recuperados pela Marinha brasileira em uma extensa área do Atlântico.

No entanto, o brigadeiro-general Ramón Borges Cardoso, diretor do Departamento de Controle do Espaço Aéreo da Força Aérea Brasileira (FAB), disse esta noite que as primeiras avaliações apontam que os objetos não estavam no Airbus A330-200. "O pallet que foi achado não fazia parte da aeronave", disse o oficial, na cidade do Recife.

Segundo ele, o suporte achado é de madeira e os usados em aviões costumam ser de alumínio por ser um metal leve.

"Até o momento nenhum pedaço da aeronave foi recuperado", anotou o militar, que disse ainda que os aviões da FAB detectaram restos do avião flutuando no mar, mas até agora nenhum deles pôde ser recolhido por navios porque as correntes marinhas os arrastam por quilômetros.

O acidente

O Airbus A330 saiu do Rio de Janeiro no domingo (31), às 19h (horário de Brasília), e deveria chegar ao aeroporto Roissy - Charles de Gaulle de Paris no dia 1º às 11h10 locais (6h10 de Brasília).

De acordo com nota divulgada pela FAB, às 22h33 (horário de Brasília) o vôo fez o último contato via rádio com o Centro de Controle de Área Atlântico (Cindacta III). O comandante informou que, às 23h20, ingressaria no espaço aéreo de Dakar, no Senegal.

Às 22h48 (horário de Brasília) a aeronave saiu da cobertura radar do Cindacta, segundo a FAB. Antes disso, no entanto, a aeronave voava normalmente a 35 mil pés (11 km) de altitude.

A Air France informou que o Airbus entrou em uma zona de tempestade às 2h GMT (23h de Brasília) e enviou uma mensagem automática de falha no circuito elétrico às 2h14 GMT (23h14 de Brasília). A equipe de resgate da FAB foi acionada às 2h30 (horário de Brasília).

Fonte: g1, www.g1.com.br