Caixa dá mais 1 dia para sortudo retirar prêmio de R$ 22,9 milhões

Caixa dá mais 1 dia para sortudo retirar prêmio de R$ 22,9 milhões

Gerente explica que greve pode ter prejudicado o resgate do dinheiro.

Após 23 dias em greve, a volta dos bancários ao trabalho nesta segunda-feira (14) dá uma nova chance para o ganhador da Mega-Sena retirar R$ 22.933.056,04, sorteados para uma aposta de Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná. De acordo com o gerente regional da Caixa Econômica Federal, Edilson Oliveira, o apostador tem até as 16h de terça-feira (15) para apresentar o bilhete premiado em qualquer agência da Caixa do país. "Nesta segunda-feira, a volta da greve é gradual. Amanhã, o atendimento estará completo e por isso, haverá essa chance", esclarece.

O concurso 1.510 da Mega-Sena foi realizado no dia 10 de julho. Na época, os números sorteados foram 01 ? 08 ? 17 ? 44 ? 46 ? 53. Pelas normas das loterias, o ganhador teria até 8 de outubro para reclamar o prêmio, mas mesmo assim, ele não apareceu. Segundo o gerente regional, o banco abriu uma exceção. ?A Caixa entendeu que durante a greve, o ganhador pode ter encontrado dificuldade para tentar receber o prêmio e por isso, deu essa última chance?, esclarece. Dentro das regras, qualquer ganhador das loterias tem até 90 dias para retirar o dinheiro.

No dia 8 de outubro, Oliveira conta que uma pessoa chegou a apresentar um bilhete com os mesmos números sorteados no concurso 1.510, mas sem qualquer validade. O gerente explica que é possível identificar a aposta verdadeira pelo código de barras. ?A sequência numérica é impossível de ser burlada?, afirma.

Oliveira alerta à população para ter cuidado com golpes. ?Muitos malandros se aproveitam da situação, fazem uma aposta com esses mesmos números e oferecem para alguém em troca de dinheiro?, comenta. Segundo ele, o golpe do bilhete premiado é antigo, mas as pessoas devem ficar atentas.

Caso o vencedor não apareça para reclamar o prêmio, o valor total será repassado para o Tesouro Nacional para aplicação no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES).

Fonte: G1