Ações da Câmara de Enfrentamento ao Crack são intensificadas no PI

Ações da Câmara de Enfrentamento ao Crack são intensificadas no PI

Ao mesmo tempo em que cria sensação de alegria no usuário, o crack também é muito perigoso à saúde.

Com uma grande incidência de casos de viciados em crack no Piauí, a situação se torna cada dia mais alarmante. Na intenção de envolver os municípios e tentar prevenir que mais pessoas se envolvam com essa droga, a Câmara Estadual de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas vem desenvolvendo uma série de capacitações em algumas cidades do Estado.

De acordo com Zita Villar, secretária executiva da Câmara, foi realizada uma capacitação em 176 municípios com a finalidade de perceber quais as cidades que manifestaram desejo de entrar nessa luta.

A secretária aponta que das cidades que participaram das capacitações, apenas 33 expressaram vontade de desenvolver trabalhos voltados para a prevenção.

“Estaremos envolvidos numa ação no mês de março na tentativa de prevenir que jovens e adolescentes dos municípios entrem para o mundo do crack. O projeto “Tempo de abraçar a vida” será desenvolvido através de uma parceria entre o município e o Estado e envolveremos família, escola e comunidade”, frisou Zita Villar.

A secretária ainda apontou que a partir do segundo semestre deve ser iniciada, após a implantação em Teresina, uma ação voltada para o acolhimento e tratamento da dependência química no interior do Piauí.

Zita relata que a ação deve acontecer nas cidades de Parnaíba, Picos, Floriano, Oeiras e Bom Jesus. “Está tudo planejado para este ano. Se não der certo, a gente reavalia e procura novas formas de combate ao crack nos municípios”, finaliza.

Crack causa lesões ao organismo e perda de peso

Ao mesmo tempo em que cria uma sensação de alegria no usuário, o crack também deixa muitos efeitos significativos e potencialmente perigosos no corpo.

O crack acelera os batimentos cardíacos, aumenta a pressão arterial e provoca arritmias, enfartes, hemorragias cerebrais e morte. Ele degenera os músculos e os ossos, e dá aparência esquelética ao usuário: ossos da face salientes, braços e pernas finos, costelas aparentes e dentes podres.

Essa droga também causa lesão nos pulmões que resulta em pneumonia, tuberculose, infecções nos brônquios e paradas respiratórias, afeta o estômago e os intestinos, causa náusea, dor abdominal e perda de apetite, ataca os rins e o fígado.

Além desses inúmeros problemas relacionados à saúde que o usuário de crack pode ter, em grande parte dos casos, os dependentes perdem a identidade e a autoestima, deixam de ter os mínimos cuidados com a higiene pessoal e alguns chegam a perder mais de dez quilos em uma semana.

Eles apresentam tosse e nariz entupido com frequência, com expectoração de muco escuro, cansaço intenso, tremores, depressão e apatia. Em alguns casos, o usuário sofre alucinações, delírios e sintomas paranoicos (sensação de estar sendo vigiado ou perseguido). Além de ficar violento, o usuário, muitas vezes, tornase inadequado, sem noção de comportamento em sociedade ou convivência.

Fonte: Jornal Meio Norte