Camelôs ganham novo espaço em THE

A obra vai custar R$ 350 mil e o local será administrado pela mesmo responsável pelo Shopping da Cidade

Os camelôs de Teresina que não conseguiram lugar no Shopping da Cidade já tem um novo destino em fase de conclusão. Até o início de outubro, cerca de 552 ambulantes que trabalham atualmente nas ruas Riachuelo e Firmino Pires, no Centro da capital, serão transferidos para os 1.800 m² do local, que fica no cruzamento das ruas Paissandu com Félix Pacheco. O espaço vai se chamar ?Calçadão de Teresina?, nome sugerido pelos próprios comerciantes, em alusão ao calçadão da rua Simplício Mendes.

A coordenadora do Projeto de Revitalização do Centro, Carmem Neutélia, é enfática sobre a possibilidade de abrigar novos camelôs em espaços da Prefeitura de Teresina. ?Não existe mais um plano para quem insistir em vender na rua. Não pode ficar no Centro da cidade, então as pessoas que surgirem vão ter encontrar outra ocupação ou outro espaço?, diz. A coordenadora explica que os ambulantes que surgirem após a transferência para o Calçadão de Teresina, deverão buscar a licença que autoriza a atividade nas SDU"s (Superintendência de Desenvolvimento Urbano) dos bairros.

A obra vai custar R$ 350 mil e o local será administrado pela mesma instituição responsável pelo Shopping da Cidade. O INPI (Instituto de Negócios do Piauí), vai cuidar de aspectos como a segurança e limpeza, além de prestar apoio aos comerciantes, com informações jurídicas, mercadológicas e financeiras. Os comerciantes do Calçadão também terão que pagar uma taxa de condomínio para a manutenção da área. O valor ainda não foi definido.

Segundo Carmém Neudélia, somente após a inauguração será possível avaliar os gastos do espaço e dividir essa quantia entre os empreendedores. ?O condomínio deve ser semelhante ao que é pago pelos 1.915 comerciantes que trabalham no Shopping da Cidade, ou seja, cerca de R$ 100 em média?, revela. O Calçadão de Teresina será adaptado para pessoas com deficiência, e contará com banheiros, área para a administração do empreendimento e bebedouro. Atualmente, há apenas um galpão no local.

Para evitar os problemas que aconteceram no Shopping da Cidade, onde as vendedoras de castanha tiveram que sair do último pavimento para o primeiro devido às dificuldades em comercializar o produto, a distribuição dos ambulantes no novo local será setorizada, de acordo com os produtos comercializados. Os comerciantes terão que trabalhar em um espaço de 1 metro por 80 cm. A dimensão limitada foi acertada em acordo com os ambulantes que irão se mudar para o local. ?Seria um pouco maior, porém só caberiam 350 camelôs, e alguns ficariam de fora. Os membros da Comissão Independente aceitaram reduzir para comportar mais gente?, pontua a coordenadora.

A explicação da Prefeitura para o fato de terem sobrado ambulantes nas contas dos trabalhadores transferidos para o Shopping da Cidade em junho deste ano, é a de que os 552 camelôs que ficarão no Calçadão de Teresina chegaram após a contagem dos comerciantes que atuavam no Centro da cidade. O levantamento desses camelôs começou em 2006 mas, de acordo com Neudélia, quem não foi cadastrado até setembro de 2008, ficou de fora do processo.

Os camelôs, que lotavam as ruas do Centro da cidade, foram retirados para dar lugar às obras de revitalização da área. As principais ruas que movimentam o comércio local, como a Álvaro Mendes, devem ter as obras concluídas até o final de novembro, facilitando a circulação da população na época natalina. O fim das obras em todo o Centro está marcado para acontecer até março de 2010. (

Fonte: Sávia Barreto, Jornal Meio Norte