Carnavalesco Paulo Barros rebate crítica do presidente da União da Tijuca

O dirigente da Tijuca ao comentar o desfile da Mocidade, disse não ter gostado do trabalho de Barros na escola de Padre Miguel, classificando o carro que representava um motel como “apelativo”.


O carnavalesco Paulo Barros rebateu as críticas feitas pelo presidente da Unidos da Tijuca, Fernando Horta. Na última segunda-feira, em entrevista ao Portal da Band, o dirigente, ao comentar o desfile da Mocidade, disse não ter gostado do trabalho de Barros na escola de Padre Miguel, classificando o carro que representava um motel como “apelativo”.

“Com relação a não ter gostado do meu trabalho e que foi apelativo, o direito é todo seu de não ter gostado. O senhor ‘aceita’ as cenas de casais, e não gosta de ver? Era só dar as costas, comer algo ou ir ao banheiro. Não deixaria eu fazer essas cenas na sua escola? Por que acha que deixei a Unidos da Tijuca?”, disparou Barros em seu perfil no Facebook.

Barros disse que nunca se colocou como o único responsável pelos títulos da Tijuca e afirmou que Horta tenta “minimizar” seu valor na escola.

“Mesmo que o senhor negue, meu nome vai estar cravado nas paredes dessa escola maravilhosa pelo resto da vida. Quando o senhor afirma que foi o senhor que me fez, sinto muito! Eu me fiz! Minha história começou no grupo de acesso, onde exercitei meu caminho artístico. Lhe agradeço profundamente por ter me dado a chance de ter sido carnavalesco da Tijuca em 2004. Esse mérito é seu! E nunca vou esquecer de ter acreditado em mim. Agora, afirmar que o senhor me fez? Já nasci artista!”, escreveu.

No desabafo do carnavalesco, sobrou até para a dupla de coreógrafos Priscila Motta e Rodrigo Néri, que assinaram as comissões de frente da Tijuca durante a segunda passagem de Barros pela escola. Atualmente os dois estão na Grande Rio.

Segundo o carnavalesco, Priscila e Rodrigo estavam para ser demitidos em 2010, e que em 2014 a usou uma réplica de um carro de Fórmula 1 sem seu consentimento.

“Quando os coreógrafos Priscilla e Rodrigo, nas minhas costas, decidiram usar aquele Fórmula 1 (made in Paraguay), lhe avisei que o carro não iria funcionar, que teria que ser empurrado caso ele parasse... O senhor passou por cima de mim e deu ouvidos ao casal que, na minha volta em 2010 estava pra ser demitido pelo senhor pela cagada que tinham feito em 2009 (e agora vendem no currículo deles tudo aquilo que é MEU!). Dê graças a Deus eu não ter colocado no book dos jurados que o carro era motorizado”, declarou Barros, que explicou sua saída da escola em 2014.

“Não trabalho onde não consigo trabalhar”, disse.

Veja o texto de Paulo Barros na íntegra:

“Caro Presidente Fernando Horta. Primeiramente gostaria de deixar bem claro o seguinte. Vou relembrar a sua fala no dia da apuração de 2014. " A TIJUCA NÃO É SÓ O PAULO BARROS!"...... Alguma vez me coloquei nessa posição? Sempre respeitei a todos na escola e sempre reconheci a Unidos da tijuca como uma grande equipe..... Se há incômodo ...... Esse incômodo é seu! Com relação a não ter gostado do meu trabalho e que foi apelativo.... O DIREITO É TODO SEU DE NÃO TER GOSTADO. O senhor " aceita" as cenas de casais, e não gosta de ver? Era só dar as costas, comer algo ou ir ao banheiro. Não deixaria eu fazer essas cenas na sua escola? Por que acha que deixei a Unidos da Tijuca?... Quando os coreógrafos Priscilla e Rodrigo, nas minhas costas, decidiram usar aquele fórmula 1 (made in Paraguay) lhe avisei que o carro não iria funcionar, que teria que ser empurrado caso ele parasse.... O senhor passou por cima de mim e deu ouvidos ao casal que, na minha volta em 2010 estava pra ser demitido pelo senhor pela cagada que tinham feito em 2009 (e agora vendem no currículo deles tudo aquilo que é MEU!) De graças à Deus eu não ter colocado no book dos jurados que o carro era motorizado. Enfim... NAO TRABALHO ONDE NÃO CONSIGO TRABALHAR! Desde a minha saída da Unidos da Tijuca o senhor só sabe minimizar o meu valor e em nenhum momento quis deixar claro a minha participação nas conquistas da escola nos últimos 10 anos. Mesmo que o senhor negue ......... Meu nome vai estar cravado nas paredes dessa escola maravilhosa pelo resto da vida.Quando o senhor afirma que foi o senhor que me fez.......Sinto muito! EU ME FIZ!..... Minha história começou no grupo de acesso, onde exercitei meu caminho artístico. Lhe agradeço profundamente por ter me dado a chance de ter sido carnavalesco da Tijuca em 2004. Esse mérito é seu!..... E nunca vou esquecer de ter acreditado em mim. Agora...afirmar que o senhor me fez?....... Já nasci artista! Sempre lhe respeitei e continuo respeitando, é o maior administrador que já conheci! PARE DE ME TRATAR COMO SE EU FOSSE UM INIMIGO DE SUA ESCOLA.... EU AMO A UNIDOS DA TIJUCA!.... É A MINHA CASA E SEMPRE SERÁ!....... NÃO DISPUTE COLOCAÇÃO COMIGO, DISPUTE O CAMPEONATO! A UNIDOS DA TIJUCA PODE!!!! Um forte abraço de quem lhe admira. Paulo Barros”

 

Fotos da Mocidade:





 

Fonte: UOL