Casa Meio Norte ajuda a mudar vida de criaças em comunidade de Teresina

O trabalho realizado pela Escola Municipal Casa Meio Norte mudou não apenas a vida das 550 crianças

O trabalho realizado pela Escola Municipal Casa Meio Norte mudou não apenas a vida das 550 crianças atendidas pela escola. Mudou a vida de toda a comunidade da Vila Cidade Leste. Integrada às atividades da escola, a comunidade, uma das mais pobres e marginalizadas da cidade, com o trabalho da escola ganhou mais dignidade e amor próprio.

?Em 1999, quando a Casa Meio Norte foi fundada nessa área, a violência, tanto social como doméstica, era um fato. Começamos, então, a trabalhar com as crianças e o êxito desse trabalho refletiu nas famílias, que viram ali, na educação de seus filhos, a oportunidade de mudar a visão que a sociedade tinha daquela comunidade?, diz Ruthinéia Vieira Lima, diretora pedagógica da escola, destacando a parceria entre escola e sociedade para justificar o sucesso e os vários prêmios recebidos pela instituição.

Ao lado das conquistas das crianças ao longo dos anos - índice de evasão escolar, zero; um dos menores índices de distorção série/idade e o reconhecimento nacional do Ministério da Educação e do próprio Unicef -, a comunidade também teve seus ganhos: redução dos índices de violência na área da Cidade este e redução significativa da violência doméstica. Ruthinéia Lima credita essa mudança a credibilidae

da escola e seu trabalho realizado junto às crianças no sentido de mostrar-lhes que elas merecem o melhor.

?Com a instalação da Casa Meio Norte, as pessoas perceberam que, mesmo em meio à marginalidade, elas

têm direito ao que há de melhor, uma educação pública de qualidade. Isso as levou a uma mudança de vida, lutar para serem respeitadas. Hoje temos pessoas da comunidade que passaram a dar mais valor ao estudo, fazem faculdade, estão trabalhando, integradas à sociedade. Para nós, essa é a verdadeira

inclusão, no sentido de valorizar o indivíduo enquanto ser humano?, enfatiza.

Enquanto isso, falando em ?incluir? no trabalho da escola, a comunidade tem representantes no Conselho Escolar, é chamada a participar das atividades pedagógicas e festivas, assim como também das campanhas educativa, como o projeto?Nossa Escola, Nossa Saúde?, premiado pelo Sesi no último dia 3 de dezembro. Nesse projeto, comunidade e escola fizeram um levantamento das endemias na área

e, em parceria, definiram como intervir para ajudar a comunidade e enfrentá-las, atuando para melhorar a qualidade da comunidade, num processo de inclusão em benefício de todos.

Fonte: Lúcia Bezerra, Jornal Meio Norte