Casal "adota" família que perdeu tudo em incêndio e pede doações na web

O caso ocorreu na madrugada do último dia 2 de fevereiro e segundo o tenente, o fogo teria sido causado por um curto-circuito.


Casal

Sensibilizados com a situação de uma família que perdeu tudo o que tinha em um incêndio no bairro Bom Retiro, na zona leste de São José dos Campos (SP), o tenente do Corpo de Bombeiros da cidade, Carlos Latgé, de 31 anos, e sua esposa, a comerciante Cynthia Latgé, de 30 anos, decidiram buscar doações por meio das redes sociais.

O casal soube do drama da família de Diego e Luana dos Santos, pais de Pedro (6 anos), Yasmin (4 anos) e Geovana (7 meses) através da avó paterna das crianças, Lucy Mara Aparecida de Andrade, que trabalha em uma casa vizinha ao imóvel destruído pelas chamas. O caso ocorreu na madrugada do último dia 2 de fevereiro e segundo o tenente, o fogo teria sido causado por um curto-circuito. Luana, de 20 anos, estava no quarto com a bebê, Geovana, no momento do acidente.

A jovem sofreu queimaduras de 2º grau, passou por cirurgias e segue internada na UTI do setor de queimados da Santa Casa de São José dos Campos e não corre risco de morrer. Geovana teve queimaduras em todo o lado direito do corpo, principalmente na orelha, mas recebeu alta há duas semanas e está sob os cuidados da avó paterna e de Cynthia, esposa do tenente. As outras duas crianças, Pedro e Yasmin, estão sendo cuidadas pelo pai, com ajuda da mãe do tenente dos bombeiros.

"A gente não sabia da gravidade do ocorrido, aos poucos fomos nos inteirando e vimos que eram muitas as necessidades da família e que, sozinhos, não conseguiríamos ajudar. Então, decidimos pedir ajuda aos amigos, através do Facebook. O retorno foi muito maior do que o esperado, pessoas mandando e-mails, compartilhando e comentando, ligando para oferecer ajuda. A gente está tendo um resultado muito bom?, conta o tenente. Até a tarde desta terça-feira (25), uma das postagens do tenente tinha 115 "curtidas" e 454 compartilhamentos.

Solidariedade

Latgé se diz impressionado com a rapidez com que as doações surgiram e a prontidão de pessoas desconhecidas. "Estamos até assustados com a solidariedade das pessoas, pois postamos na internet para pedir ajuda aos nossos amigos que logo mobilizaram outros", comenta o tenente.

O material está sendo arrecadado na sede do Corpo dos Bombeiros, na Vila Industrial, e em seguida será encaminhado até um ponto comercial desativado que Latgé e a esposa têm próximo à sua residência no bairro Monte Castelo. "Já conseguimos muitas coisas como, camas, colchões, geladeira, máquina de lavar, roupas para as crianças e alguns produtos alimentícios. Mas, ainda falta roupas para os pais, fralda descartável e de pano para o bebê, leite em pó, brinquedos para as crianças, cobertores e coisas mais caras como, armário, guarda-roupas, mesa, mas principalmente, os remédios que são caros", explica o tenente.

O casal garante que a entrega dos materiais será feita assim que a família conseguir se estabelecer, mas que as pessoas que tiverem interesse em ajudar serão orientadas a procurar a família diretamente.

A avó das crianças diz estar confiante com a recuperação da nora e ser grata ao apoio do casal. "Fiquei emocionada, eles estão me ajudando muito. Eu agradeço muito, não tenho como pagar, mas peço a Deus que recompense a eles e a todos que estão ajudando. Eu acredito que ainda há amor no mundo, que nem tudo está perdido", diz Lucy.

Para Carlos e Cynthia, a experiência tem sido gratificante. "A gente deixa de pensar na gente mesmo para pensar nos outros. Porém, não é fácil, a jornada é intensa, nossa vida continua enquanto recebemos doações, fazer contatos, responder e-mails. Mas, as pessoas são muito solidárias e o retorno que dão é muito bom. Estamos tentando ajudar essa família a se levantar e ter forças, para então caminharem com as próprias pernas. Estamos torcendo muito por eles", destaca o tenente.

Doações

Os interessados em fazer doações podem procurar o Corpo de Bombeiros da Vila Industrial que fica na Rua Felício Savastano, 350, ou entrar em contato com o tenente pelo e-mail [email protected]

Ainda segundo Latgé, além da doação de materiais e remédios, também é necessária doação de sangue para repor o estoque do banco de sangue do município, uma vez que a jovem Luana passou por diversas cirurgias. Ele garante também que vai repassar aos órgãos competentes da cidade as doações que sobrarem para que sejam divididas com outras pessoas necessitadas no município.

Fonte: G1