Centro vai tratar de mulheres usuárias de drogas

Centro vai tratar de mulheres usuárias de drogas

Teresina vai ganhar o Centro Estadual de Referência Álcool e Drogas, voltado especificamente à recuperação de mulheres dependentes químicas

Pesquisas científicas sobre o aumento do consumo de drogas entre as mulheres ainda não foram concluídas, mas qualquer um é capaz de notar que a dependência química alcançou o universo feminino com a mesma intensidade com que atinge os homens. Por isso, já era chegada a hora das instituições se voltarem para esse problema.

Em Teresina, as ações mais efetivas do poder pú-blico em favor das mulheres usuárias de drogas vão começar pela zona Norte, com a implantação do Centro Estadual de Referência Álcool e Drogas, voltado à recuperação das dependentes químicas. Para tanto, está sendo reformado e readaptado o antigo Centro Social Urbano do Bairro Buenos Aires.

As obras estão em andamento, com previsão para serem concluídas em março. Após essa etapa, o Centro será equipado e os profissionais capacitados. Segundo a gerente de atenção à saúde mental, Leda Trindade, a previsão é que o local esteja funcionando já no mês de julho. ?As mulheres vão morar nove meses aqui. Contudo, o tempo pode ser prorrogado se elas ainda não estiverem em condições de reabilitação social?, afirma Leda.

O projeto vai custar quase R$ 500 mil e terá vagas para atender 60 mulheres usuárias de álcool e drogas, com idade a partir de 18 anos. Segundo Leda Trindade, elas serão encaminhadas para tratamento no Centro de Referência pelo CAPS AD ou pelo Hospital do Mocambinho. ?Haverá uma equipe multiprofissional para desenvolver atividades de saúde, educação, socioculturais e esportivas?, garante a gerente de atenção à saúde mental. A equipe de profissionais será formada pelos concursados da SESAPI.

A proposta é que o Centro Estadual de Referência Álcool e Drogas disponha de um amplo espaço, com quadras, campo, teatro, áreas verdes, dormitórios, refeitório e banheiros. Tudo com aparência de uma verdadeira casa, garantindo conforto e mantendo afastada a imagem de clausura.

Usuárias fazem assaltos e praticam furtos



A zona Norte de Teresina concentra os principais pontos de venda de drogas da capital. Muitas famílias que moram em bairros como Matinha e Poti Velho têm os traficantes como seus vizinhos e disputam espaço com as bocas de fumo. Tanta proximidade com o comércio de entopercentes é um desafio a mais para os pais na educação do filhos.

Segundo o delegado do 2º Distrito Policial, Erisvaldo Machado, é comum o envolvimento de mulheres jovens, muitas delas ainda menores, com as drogas e a criminalidade. ?Temos algumas que dão muito trabalho porque fazem assaltos e praticam furtos na região?, afirma o delegado.

Para praticar os delitos, elas costumam abordar suas vítimas com faca, ou simplesmente entram sorrateiramente nas casas e saem levando ferro de engomar, liquidificador ou televisão. ?Elas roubam ou furtam e levam direto para a boca de fumo, onde trocam por drogas?, afirma Erisvaldo Machado.

De acordo com o delegado, a idade média de mulheres que se envolvem na criminalidade por conta da dependência química é de 23 anos, mas a faixa etária varia de 14 a 30 anos. ?Algumas são mais perigosas do que os homens?, reforça o delegado.

Centro-Norte terá recurso de R$ 46 milhões



O programa ?Crack, é possível vencer? é um programa do governo federal estruturado nos eixos de cuidado, autoridade e prevenção. Trata-se de um conjunto de ações integradas para enfrentar o crack e outras drogas.

Com investimento total de R$ 4 bilhões da União e articulação com estados, Distrito Federal, municípios e sociedade civil, a iniciativa tem o objetivo de aumentar a oferta de tratamento de saúde aos usuários de drogas, enfrentar o tráfico e as organizações criminosas, além de ampliar as ações de prevenção.

Segundo Leda Trindade, em Teresina o programa do governo federal vai investir R$ 46 milhões somente na região Centro-Norte. ?Teremos ações de atenção e promoção à saúde, prevenção, tratamento, recuperação e reabilitação social?, afirma a gerente. Os projetos desenvolvidos pelo governo do Estado vão beneficiar homens, mulheres, crianças e adolescentes.

Sistema Meio Norte faz campanha para construção de comunidade terapêutica



Sistema Meio Norte de Comunicações, em parceria com a Fazenda da Paz, estão realizando a campanha Alô Solidário, que pretende arrecadar fundos para construir, equipar e manter pelo período de um ano, uma comunidade terapêutica feminina. O local terá vaga para 60 mulheres e 20 crianças, filhos delas.

Os números 0500 para doação já foram liberados e ficam disponíveis até o dia 25 de dezembro. No dia 15, a TV Meio Norte exibe um programa especial com 12h de duração. O objetivo é incentivar as doações de empresas, sociedade organizada, poder público e demais entidades. As ligações podem ser feitas através de celular pós-pago da operadora OI ou de telefone fixo. As doações são de R$ 5,00, R$ 10,00 ou R$ 15,00.

Fonte: Nayara Felizardo