Cervejas importadas chegam ser mais baratas do que artesanais nacionais

Labirinto tributário, falta de fornecedores nacionais, logística ruim e burocracia prejudicam competitividade, dizem cervejeiros brasileiros

A falta de uma cadeia nacional de fornecedores, o labirinto da cobrança de impostos em cascata nas operações internacionais e interestaduais, a precariedade da logística interna e a burocracia favorecem situações consideradas bizarras por fabricantes, comerciantes e consumidores de cervejas, como bebidas importadas disponíveis nas gôndolas por preços menores que suas contrapartes nacionais de mesmo estilo.

É o que afirmam os cervejeiros brasileiros e importadores que têm se dedicado a analisar as principais dificuldades para o desenvolvimento do mercado interno.

As condições fiscais simplificadas para produtos de exportação, por sua vez, podem gerar o efeito oposto, levando aos estrangeiros cervejas brasileiras mais baratas que no Brasil. A cervejaria artesanal Colorado, de Ribeirão Preto, recentemente se viu na situação incômoda de ter que explicar aos clientes brasileiros porque sua cerveja forte e escura Ithaca, que leva rapadura na receita, pode chegar a certos mercados dos Estados Unidos, rebatizada de Guanabara para evitar possíveis atritos juridicos com a nova-iorquina Ithaca Beer Company, por US$ 13 (R$ 26) a garrafa de 600ml, segundo o site BeerMenus.com, contra média próxima de R$ 50 no Brasil.

Autor do blog especializado O Mosto Crí

tico, o publicitário Fernando Pacheco conta que percebeu recentemente o descompasso entre os valores cobrados por comerciantes especializados pelas pale ale (cerveja acobreada de amargor mais pronunciado) da paranaense Way e da cultuada dinamarquesa Mikkeler, e começou a registrar dos preços por litro mais baixos dos rótulos brasileiros e estrangeiros que encontra em suas incursões por lojas especializadas de São Paulo.

Assim, ele descobriu a pilsen (cerveja dourada translúcida, clássica da República Checa) da mineira Wäls por R$ 21,50 o litro (R$ 12,90 a garrafa de 600ml), e da paulista Bamberg a R$ 23,33 por litro (R$ 14 a garrafa de 600ml), contra R$ 14 por litro (R$ 7 a garrafa de 500ml) da alemã Bitburger, do mesmo estilo. A imperial stout (cerveja preta de alto teor alcóolico) Ithaca da paulista Colorado a R$ 104,83 por litro (R$ 62,90 a garrafa de 600ml), contra a Paradox Jura, da escocesa Brewdog, a R$ 75,45 por litro (R$ 24,90 a garrafa de 330ml).

A India pale ale (cerveja acobreada de amargor elevado) da paranaense Bodebrown foi vista a $74,19 por litro (R$ 23 a garrafa de 310ml), enquanto a escocesa Brew Dog Punk IPA saiu a R$ 45,42 (R$ 14,99 a garrafa de 330ml). Por fim, a tripel (cerveja forte de estilo belga, dourada e turva) da Wäls, a R$39,44 por litro (R$ 14,79 a garrafa de 375ml), superou as contrapartes belgas Chimay a R$ 37,85 por litro (R$ 12,49 a garrafa de 330ml), produzida sob supervisão dos lendários monges cervejeiros trapistas, e a Affligem, a R$ 28,45 (R$ 9,39 a garrafa de 330ml).

? O que chama mais a atenção é que as cervejas brasileiras não tenham preços mais competitivos que as importadas. Para quem conhece bem o mercado, parece óbvio isso, mas não deixa de ser estranho que produtos americanos e europeus cheguem aqui com preços bem próximos dos similares nacionais. Se fossem feitas na China, seria até normal terem preços tão competitivos ? brinca ele.

Com taxas e logística, importadas sobe custam 250% a mais

Para chegar às prateleiras, explica o empresário Henrique Gomes, diretor comercial da transportadora Interlog e sócio do clube de cervejas Prova Essa, as cervejas importadas passam por uma cascata de impostos semelhante à que é afeta as nacionais. São acrescidas de Imposto de Importação, IPI, PIS, Cofins, Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM), despesas aduaneiras, gastos com terminal (no caso da carga marítima).

Há ainda os gastos com a importação, que incluem a possível ?demurrage? (atraso, em dias, na retirada da carga do navio), honorários de despachante aduaneiro para os trâmite burocráticos e o transporte interno da mercadoria para seu depósito. Para emitir a nota de venda, e colocar a bebida efetivamente no mercado, ocorre novamente a tributação de PIS, Cofins, além do ICMS e da substituição tributária. Somados, todos estes fatores podem adicionar 255% ao preço.

? Todo esse modelo deveria ser revisto. Deveríamos ter um único imposto, que poderia ser o Imposto de Importação. É inaceitável a quantidade de impostos existentes e um sendo usado como base para base de calculo do outro. Isso é um completo absusrdo e torna o mercado ineficiente, porque todos devem prover seus lucros e repassam imediatamente para o preço final da mercadoria. A admissão de um imposto único (em nível federal) seria uma grande solução, mas não resolveria o problema. Cada estado legisla sobre os tributos internos, e isso ainda prejudicaria a entrada de certos produtos por certos estados. O assunto está longe de ser resolvido ? analisa Gomes.

Margens de varejistas chegam a 120%

Os tributos, alerta o cervejeiro Leonardo Sewald, sócio da Seasons, do Rio Grande do Sul, não são a única razão para os preços elevados das cervejas brasileiras. Em carta aberta divulgada no mês passado, listou 23 motivos para o fenômeno. Além das questões que afetam todas as empresas do país, como altos custos de energia, burocracia para registrar empresa, encargos trabalhistas, ele cita problemas que afetam especificamente a cadeia cervejeira. Entre eles, a falta de fornecedores locais de insumos como malte e lúpulo, essenciais para a produção, que faz com que as matérias-primas sejam importadas, a falta de união do setor para reivindicar mudanças, e pontos de venda que vão ?na contramão? do mercado, cobrando caro ou não armazenando e servindo os produtos de forma adequada.

? Quem já abriu um negócio, foi pra guerra ou passou por uma situação de vida ou morte já falou a célebre frase: ?só quem estava lá sabe?? Isso não precisa ser assim. Na realidade, quanto mais fugirmos disso e compartilharmos as nossas aflições, melhor será para todos, os que estão no lado da produção podem com isso construir de forma coletiva uma solução adequada para os problemas enquanto os que estão no lado da divulgação podem disseminar o conhecimento embasado ao alcance de todos ? afirmou Sewald, no texto, intitulado ?Revolução sim, mas um passo de cada vez?.

As margens praticadas no mercado são uma polêmica à parte. O custo do distribuidor equivale ao preço de venda da cerveja pelo produtor, com PIS, Cofin, IPI, ICMS e ST, mais o frete. Segundo o cervejeiro Murilo Foltran, da paranaense DUM, no caso de uma cerveja com valor de R$ 6,92 o litro, em São Paulo, com frete a R$ 0,25 o litro, o custo iria para R$ 7,17. Com uma margem (markup) média estimada em 30%, o total subiria para R$ 10,24.

Já os varejistas, devido aos seus custos elevados, afirma Foltran, praticam margens entre 70% e 120%. A estrutura do comprador faz a diferença. Os que têm condições de comprar diretamente da fábrica poderiam vender a cerveja de R$ 6,92 o litro a R$ 13,84, se aplicassem margem de 100%. Comprando do distribuidor, no entanto, para alcançar a mesma percentual, o preço final ficaria em R$ 20,48 o litro.

Fonte: OGlobo