Chega a 75 o total de mortos após tremor na ilha de Sumatra

Balanço anterior, do Ministério da Saúde, falava em 21 mortos pelo tremor.

O terremoto que atingiu a costa da ilha de Sumatra, na Indonésia, nesta quarta-feira (30) matou pelo menos 75 pessoas, informou Jusuf Kalla, vice-presidente do país.

Balanço anterior, do Ministério da Saúde, falava em 21 mortos pelo tremor.

Kalla afirmou que o número de mortos deve aumentar, porque muitos prédios caíram e há pessoas soterradas. Casa, hotéis, escolas e lojas estão entre as edificações destruídas.

"A princípio e faltando verificar os prejuízos no terreno, estimamos que este terremoto é comparável ao de Java do começo do mês", disse à Agência Efe Ignacio León, chefe do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha) das Nações Unidas na Indonésia.

Aquele tremor deixou 79 mortos, dezenas de desaparecidos, milhares de feridos e até 300 mil deslocados.

O tremor ocorre um dia depois de um forte terremoto seguido de tsunami ter atingido a região de Samoa Americana e Samoa, na Oceania, deixando ao menos 100 mortos.

O tremor foi sentido em toda a região, e alguns edifícios comerciais altos de Cingapura, 440 quilômetros a nordeste, foram desocupados.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos apontou a magnitude do tremor como de 7,9, mas depois a revisou para 7,6, mesma magnitude apontada pela agência meteorológica da Indonésia. O epicentro do tremor foi a 50 km da costa de Padang.

Um alerta regional de tsunami foi emitido, segundo o norte-americano Centro de Tsunamis do Pacífico, mas já foi retirado.

Segundo a agência de notícias Associated Press, centenas de casas foram destruídas em Padang. As linhas telefônicas também foram interrompidas.

Padang, capital da província indonésia de Sumatra Ocidental, fica sobre uma das falhas geológicas mais ativas do mundo, parte do chamado "Anel de Fogo do Pacífico".

Em 2004, um terremoto de magnitude 9,15, com epicentro a cerca de 600 quilômetros a noroeste de Padang, provocou o tsunami que matou 230 mil pessoas em vários países banhados pelo oceano Índico.

Várias partes do país propensas a terremotos realizam treinamentos regulares contra tsunamis, e o serviço nacional de desastres envia alertas por mensagem de texto aos celulares de quem solicitar.

Mas alguns especialistas têm dito que a Indonésia precisa tomar mais medidas para reduzir os riscos. No caso de Padang, seria necessário haver mais estradas e outras rotas de escape, afirmou neste ano Hugh Goyder, consultor da Estratégia Internacional de Redução de Desastres da ONU.

Fonte: g1, www.g1.com.br