Chuva derruba árvore sobre carro e mata mãe e filho; mais 14 morrem

Chuva derruba árvore sobre carro e mata mãe e filho; mais 14 morrem

Mãe e filho morreram no dia 21, depois de carro ser atingido por árvore. Mortes já somam 16, segundo Defesa Civil

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais considerou dois óbitos ocorridos no dia 21 de dezembro como decorrentes da chuva no estado. A informação está no balanço divulgado nesta segunda-feira (24). Com isso, o número de mortes desde setembro sobe para 16. Durante uma forte chuva em Pouso Alto, na Região Sul, uma árvore de grande porte caiu sobre um carro na BR-354. O veículo seguia do Rio de Janeiro para São Lourenço (MG) .

As vítimas tinham 52 e 82 anos, segundo a Defesa Civil. Na data do acidente, a polícia informou que eram mãe e filho.

Ainda segundo a Defesa Civil, 12 pessoas ficaram feridas no estado desde o início do período chuvoso. O número de desabrigados chegou a 161 e o de desalojados, a 47.

Situação de emergência

Ainda de acordo com a Defesa Civil, 13 cidades decretaram situação de emergência. A última a entrar para a lista foi Recreio, na Zona da Mata. Também decretaram Açucena, no Vale do Rio Doce; Almenara, no Vale do Jequitinhonha; Bambuí, no Centro-Oeste; Ibirité, na Grande BH; Itabirinha, no Vale do Rio Doce; Itanhomi, no Vale do Jequitinhonha; Itaobim, no Vale do Jequitinhonha; Malacacheta, no Vale do Mucurí; Matias Lobato, no Vale do Rio Doce; Paula Cândido, na Zona da Mata; Senador Firmino, na Zona da Mata; e Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri.

Outras mortes

Outras mortes decorrentes da chuva em Minas Gerais ocorreram entre 21 de setembro e a primeira quinzena de dezembro. No dia 13 deste mês, um adolescente de 15 anos foi atingido por um raio quando voltava com amigos de uma cachoeira em Santos Dumontx, na Região da Zona da Mata.

Uma idosa de 92 anos, que foi vítima de um soterramento durante um temporal em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, no dia 28 de novembro, não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital onde estava internada no dia seguinte.

Em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, um homem morreu após sofrer um acidente de trânsito e cair dentro do córrego Riacho das Areias. A batida aconteceu no dia 15 de novembro, mas a vítima só foi encontrada pelo Corpo de Bombeiros no dia 18, às margens do Rio Paraopeba, também em Betim. No momento do acidente, um forte temporal caía sobre a Grande BH, e o carro foi arrastado pela correnteza do rio.

O temporal do dia 15 de novembro também deixou uma vítima na capital mineira. Um homem morreu após o carro em que ele estava cair em um córrego no bairro Castelo, na Região da Pampulha. De acordo com a Polícia Militar (PM), a vítima, que dirigia o veículo, estaria em alta velocidade, quando perdeu o controle da direção. Um passageiro também estava no carro e foi resgatado por um policial que passava no local.

Em Elói Mendes, no Sul do estado, um trabalhador rural de 23 anos morreu após ser atingido por um raio em um terreiro de café. De acordo com informações da polícia, o homem chegou a ser levado para o hospital da cidade, mas já chegou à unidade de saúde sem vida.

No começo do mês, cinco mortes foram registradas no estado. Quatro vítimas ? todas crianças ?, estavam em um veículo arrastado por uma tromba d?água em Jaboticatubas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ainda no mesmo dia, uma casa desabou em Santa Luzia, também na Grande BH, e matou um homem de 46 anos.

Dois dias antes, em 2 de novembro, em Brumadinho, na Grande BH, um homem de 40 anos morreu após o desabamento de um muro. Em outubro, duas pessoas foram mortas por descarga elétrica: um rapaz de 23 anos em São Tomé das Letras, no Sul do estado, no dia 12 de outubro; e um adolescente de 16 anos no dia 30 de outubro, em Itaguara, na Região Central.

A primeira morte registrada pelo órgão foi no dia 21 de setembro em Passos, no Sul de Minas. O telhado de uma quadra de esportes desabou durante um vendaval e vitimou um adolescente de 17 anos, de acordo com a Defesa Civil. O órgão explicou que o período chuvoso começa em outubro, porém o óbito no fim de setembro foi contabilizado como vítima da chuva.

Fonte: G1