Chuvas fazem aumentar os buracos pelas ruas de THE

Chuvas fazem aumentar os buracos pelas ruas de THE

As chuvas fortes que têm caído em Teresina nas últimas semanas estão fazendo com que os buracos que já existiam em muitas vias fiquem maiores

Quando o volume de chuvas aumenta em Teresina, aumentam também os transtornos dos motoristas da capital, por causa do grande número de buracos que aparecem nas ruas.

Problemas mecânicos nos veículos e aumento do risco de acidentes são alguns dos prejuízos causados por eles. No cruzamento da Rua Coelho de Resende com Coelho Rodrigues, na região Centro - Norte de Teresina, um buraco enorme tem dificultado o trânsito na região.

No local, trafegam diariamente muitos dos ônibus que fazem linha da zona Norte até o centro da cidade, além de carros de passeio e motocicletas. A situação se agrava quando está chovendo, pois o buraco enche de água e os condutores perdem a noção do tamanho e profundidade.

?Esse buraco é um perigo muito grande. Ele está aí há aluns dias e só tem aumentado. Ainda não soube de acidentes nele, mas não deve demorar, pois ele fica ainda mais perigoso quando chove?, disse Sueli Sousa, que trabalha em um estabelecimento na frente do buraco.

Nas proximidades dele, na Rua Coelho de Resende, outros buracos menores podem ser percebidos. Mas isso não é só nessa região, os condutores da capital reclamam que boa parte das ruas da cidade apresenta esse problema.

?É complicado trafegar pela cidade, principalmente agora, nesse período de chuva, quando o número de buracos aumenta. Eles quebram o carro, aumentam os riscos de acidentes. Nesse final de semana, eu quebrei a calha do meu táxi, em um buraco na zona Sul de Teresina?, reclamou o taxista Leandro Linhares.

O coordenador de Asfaltamento da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitacional, Daniel Pereira, afirma que as Ruas Coelho de Resende e Pires de Castro serão totalmente recuperadas ainda este ano.

Elas foram incluídas no PAC Mobilidade e as obras já estão em fase de projeto. ?Durante este primeiro semestre nós faremos a licitação para escolher a empresa que irá fazer esse trabalho. Já no segundo semestre deveremos dar início às obras?, garantiu.

No entanto, emergencialmente, ele assegurou que o problema dos buracos no cruzamento da Coelho de Resende com Coelho Rodrigues será resolvido ainda esta semana.

?Nós estamos com um trabalho de recuperação do asfaltamento de várias ruas da cidade. Esse é um trabalho que iniciou ainda em 2013 e deve ser finalizado até o final de 2014 e início de 2015?, completou.

16 árvores já caíram só em fevereiro

As chuvas que caíram sobre Teresina desde o início do ano causaram vários estragos, entre eles está a queda de muitas árvores por toda a cidade. Um levantamento do Corpo de Bombeiros mostra que só nessas duas primeiras semanas de fevereiro foram ao chão 16 árvores em toda a capital, sendo uma média de praticamente uma por dia.


Chuvas fazem aumentar número de buracos pelas ruas de Teresina

A situação se agravou na última semana, quando as chuvas começaram a ficar mais intensas. Só no último domingo, os Bombeiros registraram cinco ocorrências desse tipo.

?Quando isso acontecer, as pessoas devem chamar os bombeiros e, se antes de a árvore cair, se perceber que ela tem essa tendência, podem nos acionar também, que vamos até o local. Mas é bom lembrar que nós não realizamos poda de árvores que estão em perfeitas condições e sem ameaça de queda?, afirmou o capitão Floriano.

A última ocorrência desse tipo, da qual se tem registro, foi na Praça do Fripisa, na região do Centro de Teresina, na noite da última segunda-feira (17). Uma árvore foi ao chão durante a chuva que caía no centro da cidade e acabou atingindo um carro que estava estacionado nas proximidades.

?No momento que ela caiu, estava chovendo fraco, mas estava ventando. Com isso, nós que estacionamentos carro e trabalhamos nessa região ficamos com medo, pois a praça é cheia de árvores e sempre que chover, nós estaremos correndo risco?, pontuou Manoel Fernandes, que trabalha na feira de livros da Praça do Fripisa.

No último final de semana, também foi registrada a queda de árvores em Teresina. Uma delas caiu no bairro Saci, zona Sul de Teresina, sobre um carro que estava estacionado nas proximidades, e a outra na região do centro da cidade, na Rua Gabriel Ferreira, próximo ao cruzamento com a Rua Coelho Rodrigues, do lado do Instituto Federal do Piauí (IFPI).

No início do mês de janeiro, durante as primeiras chuvas, uma árvore interditou a Avenida Duque de Caxias, no sentido norte centro. Na mesma noite uma árvore caiu nas ruas do bairro Poty Velho, nas proximidades das residências, levando perigo à população.

Com chuvas, queda de energia aumenta na capital

Sempre quando chove em Teresina a população prepara as velas, lâmpadas de emergência e até geradores, pois é comum a queda de energia na capital, sobretudo quando acontecem temporais. As rezões para falta de energia são muitas.

O motivo principal que ocasiona este problema na época de chuvas é o contato da rede elétrica com vegetação, ou mesmo quebra de fios e postes por conta da queda de árvores. Além disso existe a descarga de raios nas estações de energia, o que provoca incidentes que resultam no fornecimento de energia.

Na manhã de ontem o bairro Macaúba sofreu com a falta de energia elétrica antes mesmo da chuva que ocorreu na parte da tarde. A universitária Maria Luísa Mendes conta que às 09 horas da manhã já não havia energia no bairro.

Para ela chuva é sinônimo de defeitos em uma séries de serviços. " Chuva é logo sinal de falta de água, luz e internet", segundo os comentários da população do seu bairro, isso ocorreu porque o transformador teria queimado.

"É difícil viver numa capital com tanto retrocesso e não ter políticas públicas que se transformem em ações concretas. No meu bairro, e em toda Teresina, em dias de chuva a população vive o drama de pagar contas altíssimas de água e luz e não ter fornecimento minimamente digno", desabafa Maria Luísa frente aos problemas constantes de energia que assolam o seu bairro.

De acordo com Paulo Sampaio, membro da diretoria do Sindicato dos Urbanitários (SINTEPI), as chuvas que estão ocorrendo em Teresina neste mês de fevereiro estão ultrapassando a média normal.

"Está acontecendo um aumento do índice pluviométrico, que é bem acima do previsto para fevereiro. E por isso tá havendo maior número de desligamentos por descargas elétricas pelo contato dos cabos com a vegetação.", declara que com o aumento das chuvas aumentam problemas na rede.

Contudo, Paulo analisa que este problema da queda de energia devido o contato com árvores poderia ser evitado se houvesse isolamento dos cabos da rede elétrica. "Uma boa parte de cabos não são isolados.

A Eletrobras vem fazendo a substituição, mas ainda há um número mínimo que não chega nem a 10% da rede existente. O ideal mesmo é que a rede fosse subterrânea, mas isso demanda grandes obras", explica.

A Eletrobras informa que neste período é comum ocorrer desligamento na rede por conta da vegetação e confirma que o isolamento da rede poderia evitar quedas de energia e por este motivo a empresa está realizando o isolamento da rede.

Segundo assessoria, na medida que a rede vai sendo trocada, os cabos expostos são trocados por cabos multiplexados, que inclusive vêm sendo usados no interior do Piauí e em obras do Programa Luz para Todos.

Fonte: Pollyana Carvalho