Cidades do interior concentram maiores índices de empregos do PI

Municípios foram responsáveis por mais de 85% da geração de emprego

Apesar da redução em 0,28% no número de empregos formais no Brasil, o Piauí segue na contramão da estatística nacional. O Estado alcançou, segundo dados referentes ao mês de maio de 2015 do Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados (Caged), índices positivos na geração de trabalhos celetistas com vínculo empregatício regido pela Consolidação das Leis do Trabalho.

A curiosidade da pesquisa é que os municípios do interior foram responsáveis por mais de 85% da geração de empregos formais do Estado. União (150 admissões e 87 desligamentos), Barras (47 admissões e 18 desligamentos), Oeiras (63 admissões e 18 desligamentos) e Altos (54 admissões e 35 desligamentos) lideram o ranking de cidades de maiores oportunidades de trabalho.

O prefeito de Oeiras, cidade distante 227 quilômetros de Teresina, Lukano Sá, afirma que o número positivo é reflexo do trabalho de profissionalização desenvolvido na cidade.

"A gestão vem conduzindo o processo de aproveitar a capacidade das pessoas oferecendo cursos técnicos em parceria com programas federais, como o Pronatec.

Isso tudo fortalece o setor produtivo e gera emprego e renda. Também damos uma atenção especial ao setor primário, pois 40% da população de Oeiras vive da agricultura”, conta o gestor.

A Secretaria do Trabalho e Empreendedorismo (Setre) também atribui os dados de aumento de empregos nas cidades de União, Altos, Oeiras e Barras ao investimento no ensino profissionalizante do Estado. De acordo com o secretário da pasta, Gessivaldo Isaías, a mão de obra qualificada atrai novas empresas para o Piauí.

“A Secretaria do Trabalho e Empreendedorismo tem dado uma contribuição nessas cidades que ficam no entorno de Teresina no sentido de qualificar as pessoas”, conta Gessivaldo Isaías.

Outro fator levantado pelo secretário é a questão de isenção fiscal que o governo do Estado tem oferecido à empresas, principalmente às de serviços, como as firmas de telemarketing.

“Esses incentivos atraem empresas e proporcionam um grande crescimento de emprego e renda no Estado”, considera o secretário de Trabalho e Empreendedorismo.

Abertura de empresas estimula novos empregos

Por trás do saldo positivo na geração de empregos no Piauí, há uma forte condição para o estímulo da economia no Estado. Dados da Junta Comercial do Estado apontam que no mês de junho, 1.619 foram abertas, o que demonstra um crescimento de 14% em relação ao mês anterior, que registrou 1.420 novas empresas.

Do total de novos registros, os Microempreendedores Individuais (MEI), com faturamento de até R$ 60.000,00 anuais, respondem por cerca de 80%. Das 129.697 empresas ativas, cerca de 120.156 são micro e pequenas empresas.

Já, no primeiro semestre, o Piauí registrou o crescimento de cerca de 4% na abertura de empresas, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Ainda segundo a Jucepi, de janeiro a junho de 2015, foram constituídas 9.241 empresas, enquanto que no mesmo período, em 2014, foram abertas 8.854. Contribuíram para o crescimento os segmentos Empresário (7.972 constituições), seguido das Sociedades (773), abertura de filiais (449) e outros (47).

Um dos projetos do governo, que é especificamente voltado ao empreendedor piauiense, é a Agência de Empreendedorismo de Teresina (AgE).

Ligada à Secretaria do Trabalho e Empreendedorismo (Setre), a Agência presta orientação e assessoria na identificação de oportunidades de negócio, sistematizando e estimulando a divulgação de experiência de empreendimentos e negócios no Estado. A AgE também formaliza o negócio dos seus clientes, acompanha e facilita o acesso ao crédito.

Piauí se destaca pela geração de empregos

O levantamento do Caged aponta que em maio de 2015 foram criados 63 empregos no Piauí. O número equivale a um aumento de 0,02% em relação ao estoque de trabalhadores com carteira assinada do mês anterior.

O resultado faz com que o Piauí seja considerado o 4º estado brasileiro e o 1º do Nordeste no ranking de estados que mais geraram empregos na referida data da pequisa.

O Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados revela que o Piauí é o único Estado do Nordeste a ter saldo positivo na geração de empregos no mês de maio. Enquanto isso os estados vizinhos Ceará e Maranhão apresentaram números negativos.

De acordo com o levantamento, em maio de 2015, os setores de atividade econômica que mais contribuíram para este resultado foram: serviços (+503 postos), serviços industriais de utilidades públicas (+380 postos), agropecuária, (+170 postos), saldos superaram a retração do emprego da Construção Civil que reduziu -1.014 postos de trabalho.

Fonte: Virgínia Santos e Izabella Pimentel