Colecionador sacrifica poupança e terreno para ter 3 mil revistas

Colecionador sacrifica poupança e terreno para ter 3 mil revistas

Uma paixão que já dura uma vida. Aos 59 anos de idade, Silvyo Amarante admira, lê e coleciona todos os tipos de quadrinhos desde os seis

Uma paixão que já dura uma vida. Aos 59 anos de idade, Silvyo Amarante admira, lê e coleciona todos os tipos de quadrinhos desde os seis. São mais de 150 mil revistas espalhadas em quatro depósitos, além dos exemplares que tem na loja que montou há 15 anos em Fortaleza, um estoque tão grande quanto a coleção particular. Para Amarante, o hobby virou estilo de vida.

Fã de criações dos desenhistas e roteiristas Hall Foster (1892-1982) e Frank Miller, autores de "O Príncipe Valente" e "A queda de Murdock", respectivamente, Amarante fala com orgulho das obras que guarda como tesouros. ""O Príncipe Valente" é deslumbrante. Fazer algo assim em uma época sem recursos, imagino o que ele [Foster] faria hoje", afirma.

Clássicos da década de 1940, como as revistas "O Guri e Gibi", que acabaram virando sinônimo de quadrinhos no Brasil, também fazem parte da coleção. Mas Amarante revela que o acervo vai além dos quadrinhos. Ele diz ter todas as edições da "Revista do Esporte" e da revista masculina "Playboy", por exemplo. "Uma vez tive a ideia de fazer um museu para consultas. Um dia um estudante veio e roubou sete Playboys minhas. Me zanguei e acabei com o museu", conta o colecionador, que tem como peça mais antiga uma revista portuguesa de 1904.

?Graças a minha coleção me tornei amigo de artistas que admiro, como Al Rio [Mulher Maravilha], Ed Bennes [Liga da Justiça] e Clark Kenji Yamamoto [artista independente]. Já trabalhei escrevendo monólogos para Chico Anysio e conheci outros tantos talentos, me sinto um privilegiado?, afirma o colecionador que já foi chamado de louco por parentes e amigos.


Colecionador do Ceará reúne 150 mil revistas em quadrinhos

O começo

A paixão começou quando ele passou a ler as charges da revista ?O Cruzeiro?, em especial, ?Os Amigos da Onça?, que o dono de uma fábrica de sapatos no Centro de Fortaleza colava nas paredes do estabelecimento. ?Eu tinha seis anos e morava vizinho à fábrica. Passava horas lendo as charges e o dono me emprestava um cavalete para eu ler as mais altas?, conta o colecionador.

Nessa época, passou a pedir quadrinhos ao pai como presente. Aos 10 anos, quando já frequentava uma feira de colecionadores aos domingos no Centro de Fortaleza, encontrou um senhor tentando se desfazer de uma pilha de revistas. ?Passei o dia inteiro na casa dele. Voltei para casa umas 21h em um carro cheio de revistas, no meu colo, no banco de trás, no porta-malas, umas de duas mil que eu comprei sem ter um tostão no bolso. Saí da casa do velhinho dizendo que meu pai ia pagar?, afirma.

Mas, ao chegar em casa, o garoto fã de quadrinhos encontrou todos chorando pelo desaparecimento dele. ?Quando me viram com revistas, meu pai disse para não falarem nada porque eu era doido?, disse sorrindo . ?Meu pai pagou tudo para o velhinho?, lembra. O problema passou a ser o espaço para guardar tantos quadrinhos. O tempo passou e Silvyo Amarante, aos 17 anos, montou a primeira loja, localizada no Centro da cidade com cinco funcionários.


Colecionador do Ceará reúne 150 mil revistas em quadrinhos

Juventude

?O piso do mezanino era coberto de posteres de mulheres nuas, todos tinham de tirar os sapatos para entrar. O pessoal adorava, não era fácil conseguir aquilo? contou. A loja só durou um ano, a proprietária do prédio não quis renovar o contrato de aluguel porque achava o ambiente ?errado?. O jovem então partiu para a faculdade, fez seis semestres de economia e seis de administração, largou as duas faculdades e disse para o pai que se continuasse seria ?um péssimo administrador e um economista medíocre?.

?Ele [o pai] me respondeu que eu só servia para duas coisas, cuidar de uma casa de jogos ou de uma livraria. Ele estava certo, acabei abrindo uma lotérica [em 1984] e o nome era Quadrinhos. As pessoas achavam que era por causa da cerâmica nas paredes, mas era por causa das revistas que estavam por toda parte?, conta. Mas antes da lotérica, em 1982, Silvyo se casou e passou por tempos financeiros difíceis.

Sem espaço

Amarante conta que eles alugaram dois apartamentos no Bairro Dionísio Torres, em Fortaleza. No 3º andar eles moravam, no 2º funcionava um depósito de revistas. A renda melhorou quando o colecionador conseguiu a lotérica. ?Eu tinha revistas em todo lugar, em casa, no apartamento de baixo, nas escadarias do prédio, na casa da minha mãe, numa fazenda do meu pai e na lotérica. Chegou ao ponto de as pessoas encontrarem revistas até nas mesas usadas para fazer os jogos?, diz Amarante, que se tornou pai também em 1984.

Em dezembro de 1989, Amarante usou tudo que tinha na poupança (10 milhões de cruzados) e o dinheiro da venda de um terreno (50 milhões de cruzados) para comprar a coleção de três mil exemplares de um amigo empresário. ?Depois de vender 598 exemplares, consegui 183 milhões de cruzados??, uma espécie de vingança, segundo ele, contra os que consideraram a compra uma loucura.

Com o aumento da coleção, Amarante disse que um depósito que pudesse receber todo o acervo se fez necessário. O colecionador, então, preparou um grande depósito ao lado da casa do pai por volta de 1994. A mudança do material foi feita em um dia, o mesmo em que ele prestigiava uma apresentação de Chico Anysio onde declamava o texto ?M?, escrito por Amarante e que virou livro em 2011 (Editora Expressão Gráfica). As caixas foram empilhadas para serem arrumadas depois.

?Naquela noite teve uma chuva fina, o riacho perto da casa do meu pai subiu. No dia seguinte me ligaram falando que o depósito tinha alagado. Só lembro de abrir duas caixas com coleções estragadas: Roy Rogeres [década de 50, Editora Brasil-América] e Gene Autry [década de 40, Editora Brasil-América] dos números um ao 100, duas das mais valiosas que eu tinha. Daí pra frente só lembro que passei o dia jogando caixas foras?, conta, acrescentando, ?o trauma foi tão grande que de lá para cá só entrei umas 20 vezes no depósito, não gosto?.

Mesmo ?desencantado? por causa do incidente do alagamento, a coleção do empresário cresceu consideravelmente, preenchendo quatro depósitos. Para ele, o lado fã ainda é o mais forte. Em 1996, desfez-se da lotérica e montou a loja, onde também adquire exemplares para coleção sempre que tem oportunidade, readquirindo, inclusive, todos os números de Roy Rogeres e Playboys.

O lojista garante que não vende itens da coleção, a menos que tenha mais de um exemplar, o que é comum. Sendo assim, a loja que mantém há 15 anos tem desde artigos à venda em qualquer banca de jornal a itens especializados e raros. ?Hoje, comercialmente o mais rentável são os comics [histórias em quadrinhos no estilo norte-americano], mas os que vendo em maior quantidade são os mangás [estilo japonês]. Mas também tenho fumetti [estilo italiano], manhwa [quadrinhos asiáticos], europeu e até os independentes?, conta.

Fonte: G1