Com expectativa de confissão, Bruno dá hoje sua versão sobre sumiço de Eliza Samudio

Com expectativa de confissão, Bruno dá hoje sua versão sobre sumiço de Eliza Samudio

O ex-goleiro do Flamengo abandonou a postura altiva e se manteve cabisbaixo a maior parte do tempo ao longo do júri

Quase três anos após a morte de Eliza Samudio, o goleiro Bruno Fernandes poderá dar nesta quarta-feira (6), a sua versão para o desaparecimento da modelo, com quem ele teve um filho, Bruninho Samudio. A partir de 13h, o goleiro será interrogado, sem limite de tempo, por defesa e acusação, no salão do júri do fórum Doutor Pedro Aleixo, em Contagem (região metropolitana de Belo Horizonte). Ele é acusado pelo sequestro de Eliza e do bebê e pela morte e ocultação do cadáver da modelo.

Nos dois primeiros dias de julgamento, Bruno comportou-se de maneira diferente do que em outros momentos de exposição por conta do crime, como no júri de novembro passado.

O ex-goleiro do Flamengo abandonou a postura altiva e se manteve cabisbaixo a maior parte do tempo ao longo do júri. Com a Bíblia na mão, o goleiro chorou de maneira contida na segunda-feira e repetiu a dose, com mais intensidade, na sessão de ontem, nos bastidores do julgamento, comenta-se que o goleiro poderá confessar, ainda que parcialmente, sua participação no crime.

A possibilidade de confissão foi admitida tanto pela acusação quando pela defesa. A atual noiva do goleiro, Ingrid Calheiros, afirmou que ele contará "tudo que sabe" sobre o caso.

O advogado Cidney Mendes Karpinski, assistente de acusação da Promotoria, confirmou nesta terça-feira (5) ter havido uma conversa com a defesa do goleiro Bruno Fernandes com relação a uma possível confissão do réu no julgamento sobre o sumiço de Eliza Samudio, ex-amante do jogador desaparecida desde 2010. O júri popular começou na segunda-feira (4).


Com expectativa de confissão, Bruno dá hoje sua versão sobre sumiço de Eliza Samudio

Negociação para confissão

Karpinski afirmou ter procurado Lúcio Adolfo da Silva e Tiago Lenoir, advogados do ex-atleta, no final da sessão do primeiro dia de julgamento e "aconselhado" a eles que orientassem o cliente a produzir uma confissão.

"Eu aconselhei e conversei rapidamente com o Lúcio Adolfo e com o Tiago no sentido de que viessem a avaliar essa situação desfavorável ao Bruno. O atenuante [confissão] poderia ser favorável ao Bruno. Essa confissão daria benefícios ao réu", disse o advogado.

Questionado sobre a intenção declarada em ajudar o goleiro, já que ele é da acusação, Karpinski afirmou que a busca é pela "justiça".

"Na realidade, o que se busca é a justiça. Se ele confessa, o que é um direito dele, é porque a gente acredita também na reabilitação dele, embora o crime tenha sido brutal", disse o representante do pai de Eliza Samudio.

Conforme o advogado, o goleiro não se beneficiaria em nada negando o crime.

"Mas isso vai ficar a critério dele", resumiu o defensor. Perguntado sobre qual teria sido o posicionamento dos advogados do goleiro, Karpinski disse que a proposta não teria sido rechaçada.

"Na verdade, eles não chegaram a responder. Eles disseram assim: doutor, traga a proposta e depois nós conversamos", declarou.

Defesa nega

Lúcio Adolfo da Silva confirmou ter mantido a conversação com Karpinski, mas se recusou a revelar o teor do diálogo. Em entrevista à imprensa do lado de fora do fórum, no entanto, o advogado negou a existência de um acordo em curso para uma suposta confissão de Bruno.

"Tribunal do júri não é balcão de negócios", disse o defensor do goleiro Bruno.

Mais tarde, Adolfo da Silva disse que o cliente "pode falar o que quiser".

Em seguida, ele afirmou que não iria "adiantar nada para ninguém". "Vocês estão querendo saber antes da hora", afirmou Silva.


Com expectativa de confissão, Bruno dá hoje sua versão sobre sumiço de Eliza Samudio

Sem acordo

Na segunda-feira (4), o promotor Henry Wagner de Castro afirmou que não existir qualquer "possibilidade de acordo" para que o atleta confesse o crime.

"Não existe a menor possibilidade de acordo tal qual não existiu no julgamento de Macarrão e Fernando Gomes de Castro. Ali, não houve acordo. Se Bruno confessar, ele será beneficiado por conta do dispositivo legal de atenuação da pena", afirmou Castro, ao se referir Luiz Henrique Romão, o Macarrão, condenado a 15 anos pelo sequestro na morte de Eliza.

Bruno só não foi julgado com Macarrão porque, no meio do júri, dispensou o advogado Rui Pimenta, com o argumento de que não se sentia seguro com o defensor.

"Não trabalho com a expectativa de confissão. A confissão de Bruno não é imporante para que provemos a culpa. As provas são robustas, constantes e respaldadas."


Com expectativa de confissão, Bruno dá hoje sua versão sobre sumiço de Eliza Samudio

Fonte: UOL