Comunidade terapêutica da Cacimba Velha será inaugurada em março

Mais de 70% das obras já foram concluídas e os equipamentos já foram comprados

Está marcado para o dia 20 de março a inauguração da comunidade terapêutica da Cacimba Velha. Este, será o primeiro empreendimento no Brasil de recuperação de viciados em drogas baseado em quatro diretrizes: tratamento, prevenção, reinserção social e acompanhamento familiar. O projeto, uma parceria entre o Governo do Estado e Ministério da Justiça, está sendo cotado como modelo para a Política Nacional de Recuperação de Drogados.

Na manhã de ontem, várias entidades envolvidas com o projeto fizeram uma visita ao local para acertar os últimos detalhes. O futuro presidente do centro, Célio Barbosa, mostrou o projeto a representantes da Seduc, Sesapi, Sasc, Emater e Emgerpi, órgão responsável pela construção do espaço.

O centro de recuperação conta com uma área de 65 hequitares, com capacidade para atender 160 internos. De acordo com o diretor de obras da Emgerpi, José Carlos Nogueira, mais de 70% das obras já foram concluídas e os equipamentos já foram comprados. O espaço contará com dormitórios, refeitório, capela, quadras esportivas e área de lazer.

Toda essa estrutura deve fazer do local um centro de cumprimento de penas alternativas através da recuperação da dependência química. Para o local serão encaminhados pela justiça infratores com histórico de uso de drogas. A permanência mínima é de um ano.

Vale ressaltar que os internos não são obrigados a permancer no local. No entanto, ao abandonar o tratamento serão considerados foragidos da justiça e serão submetidos ao sistema prisional convencional. ? Ao saírem essas pessoas voltam para a responsabilidade da justiça?, frisa uma das idealizadoras do projeto, assistente social Marila Lila Castro, assessora da II Vara da Infância.

Bastante empolgado com o projeto, Célio Barbosa destaca o trabalho que será realizado na comunidade terapêutica. Além da recuperação química, os internos serão preparados para o mercado de trabalho através de cursos profissionalizantes. ?Aqui terá tudo o que uma pessoa precisa para retornar à sociedade com dignidade. Nossa proposta aqui é salvar vidas?.

Fonte: Carolina Durães, Jornal Meio Norte