Concurso Gastronômico mobiliza quituteiras em Ilha Grande

Concurso envolveu nove pratos a base de caranguejo

Mayara Martins

Enviada a Ilha Grande

Concurso Gastronômico mobiliza quituteiras em Ilha Grande

Raimunda Queiroz da Silva trabalho durante muito tempo como doméstica. O que mais gostava de fazer era cozinhar. A paixão ela não abandonou, mesmo tendo se tornando funcionária pública depois. ?Cozinho com prazer, quando isso acontece, as comidas sempre saem deliciosas?, ensina ela, que foi a primeira colocada no Concurso Gastronômico da 4ª Edição do Festival de Caranguejo de Ilha Grande.

O concurso envolveu nove quituteiras e proprietárias de restaurantes do município. O prato vencedor, preparado pelas mãos de dona Raimunda, foi o Caranguejo Atolado. ?É uma adaptação do atolado de carne de sol, já bastante conhecido?, diz. O prato é feito com purê de macaxeira aveludada, recheio de caranguejo cremoso com requeijão e alcaparras, cobertura de requeijão cremoso e patinhas atoladas ao creme.

Raimunda Queiroz conta que competir com tantos pratos deliciosos e ter sido a vencedora é um privilégio. ?Me sinto privilegiada e emocionada ao mesmo tempo. O concurso é uma oportunidade de mostrarmos nossa capacidade e estar divulgando em um evento tão importante como é o Festival, vai nos abrir mais portas?, pontua ela, que, colocou, juntamente com os ingredientes, uma pitada de amor e carinho. O resultado não poderia ter sido outro.

Em Ilha Grande, o extrativismo do caranguejo é a principal fonte de geração de emprego e renda para a população. Seja como catadores, beneficiadores ou quituteiras, a atividade vem incrementando a renda de várias famílias.

Assim como dona Raimunda Queiroz, quem também colocou muito amor e criatividade na elaboração dos pratos foi Raimunda do Nascimento, que ficou com o segundo lugar no Concurso Gastronômico. Quituteira há mais de 20 anos, ela usou a criatividade para elaborar o Caranguejo Mijado. A iguaria é o resultado da mistura de um arroz ensopado especial com carne e peito de caranguejo, guarnecido de patinhas de caranguejo. ?O nome foi um amigo que batizou. E pegou?, conta ela.

A criatividade não é de agora. ?Sempre gostei de criar pratos. Fico misturando um monte de ingredientes e peço aos amigos e familiares para experimentar e dizer o que acharam. A maioria é aprovado?, relata orgulhosa, acrescentando que, no período de três anos, mais de seis pratos já foram criados por ela. ?E a criação vai desde o salgado até o doce, tudo tendo como base o caranguejo?, frisa.

Antes de participarem do Festival Gastronômico, as quituteiras participaram das capacitações e oficinas promovidas pelo Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). ?As capacitações vão desde a higiene e manipulação dos alimentos, até o auxilio na elaboração de novos pratos, mostrando os sabores que se pode dar, tendo o caranguejo como base?, finaliza o gestor do Projeto de Turismo do SEBRAE e coordenador do Festival do Caranguejo, Francisco Carvalho, mais conhecido como ?Chiquinho?. (M.M)

Fonte: Mayara Martins