Condições no horário em que avião da FAB desapareceu eram boas

A aeronave transportava 11 pessoas - quatro tripulantes e sete passageiros

As buscas ao avião que desapareceu na região amazônica na quinta-feira (29) continuam na manhã desta sexta-feira (30). A aeronave transportava 11 pessoas - quatro tripulantes e sete passageiros -, que estavam a serviço da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

De acordo com nota divulgada pela Força Aérea Brasileira (FAB), as condições meteorológicas no horário em que a aeronave sumiu eram boas. Nesta manhã, a situação permanece a mesma.

O trabalho de resgate não parou durante a madrugada. O helicóptero HM-3 Cougar do Exército Brasileiro decolou às 23h03 (horário local), de Tabatinga com destino à Cruzeiro do Sul (AC), realizando a rota inversa realizada pela aeronave desaparecida. O HM-3 pousou à 1h38 (horário local).

A aeronave R-99 decolou às 2h10 (horário local) para realizar o primeiro padrão de buscas. O avião decolou novamente às 4h10 (horário local) para realizar um segundo padrão de buscas.

Ainda segundo a FAB, participam das buscas nesta manhã sete aeronaves da FAB e uma do Exército Brasileiro.

A equipe da Funasa havia usado o município de Cruzeiro do Sul como base para a operação de vacinação realizada no Vale do Javari, também em Atalaia do Norte (AM). Segundo a enfermeira, a equipe chegava mais rápido ao local das aldeias partindo de Cruzeiro do Sul.

?Eles saíram das aldeias e chegaram ontem aqui em Cruzeiro do Sul. Nós nos despedimos e eles voltaram para o Amazonas hoje de manhã. É terrível, porque criamos um vínculo. Estamos muito abalados?, afirmou Isna.

A enfermeira conta que a equipe é composta por dois homens e cinco mulheres, entre elas, uma gestante. Dois integrantes do grupo eram enfermeiros e os outros, técnicos em enfermagem.

A operação de vacinação teve início no dia 16 de outubro . O grupo seguia com helicópteros da Força Aérea Brasileira (FAB) e era deixado em aldeias da região do Vale do Javari para aplicar as vacinas de rotina e também doses especiais. A cada três dias, a aeronave da FAB voltava às aldeias para resgatar o grupo e levar para outras comunidades.

Desaparecimento

O avião desaparecido era um Cessna C-98 Caravan da Força Aérea Brasileira. De acordo com o professor de aeronáutica Cláudio Roberto Scherer, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), o C-98 Caravan é usado para transporte, tanto na aviação civil quanto na militar.

"É uma aeronave de turbo-hélice pequena, usada para levar poucas pessoas em trajetos curtos", explica.

O comandante Renato Nascimento, ex-piloto da FAB e hoje na aviação civil, afirma que a aeronave "não tem muitos recursos". "É um aviãozinho pequeno, monomotor. O problema com o monomotor é que se o motor falha, você não tem outro", explica.

Fonte: g1, www.g1.com.br