Convulsões repetitivas podem levar à morte

Crise acontece quando uma atividade elétrica do cérebro torna-se desordenada.

A imagem de alguém sofrendo uma crise de epilepsia causa a sensação de desespero. Quem vê, não sabe como agir para evitar que aquela pessoa se machuque. Os sucessivos tremores são realmente preocupantes, mas dificilmente causam a morte. Ela só ocorre quando a vítima sofre convulsões repetitivas, chamado de status epilepticus.

Mas segundo o neurologista Marcos Sabri isto raramente acontece. ?Algumas pessoas possuem tumor no cérebro e morre em consequência deste problema. Outros, principalmente se estiverem sozinhos, podem se engasgar com o próprio vômito?, explica o especialista.

O local onde a vítima está no momento da crise é decisivo para evitar que ela se machuque gravemente. Há 17 anos, o flanelinha Cleomar Alves da Silva sofre de epilepsia. Algumas vezes ele estava trabalhando e caiu no meio da rua. ?Eu fiquei entre dois carros e a sorte é que uma mulher me viu e avisou para o meu irmão. Sempre fico todo ralado porque caio no asfalto?, relatou o flanelinha.

Cleomar toma remédio anticonvulsivante. Antes, eram três comprimidos por dia, mas ele conta que se sentia mais fraco devido a medicação e decidiu parar por algum tempo. Uma semana após essa iniciativa, a crise veio. ?Meu braço fica dormente e sinto a boca ficando torta. Não consigo mais falar e já não vejo nada nessa hora?, disse Cleomar.

Segundo Marcos Sabri, a crise acontece quando uma atividade elétrica do cérebro torna-se desordenada. ?A convulsão indica um problema no sistema nervoso central e é preciso descobrir a causa para tratá-lo. Ela pode ser um tumor, sequelas de um AVC ou trauma no crânio?, afirma o médico.

No caso de Cleomar, as crises vieram após um tiro que ele sofreu na cabeça. Mesmo com a medicação ele diz que ainda tem crise, embora em menor frequencia. ?Apenas 10% dos casos não são resolvidos com medicamento e é necessário fazer cirurgia?, revela o neurologista, acrescentando que a suspensão do remédio pode trazer sérias complicações para um epiléptico.

Como agir ao presenciar uma crise epiléptica

Manter a calma

Colocar algo macio embaixo da cabeça do paciente

Colocar a cabeça de lado para que a saliva flua, evitando prejuízos à respiração

Não colocar nada em sua boca

Não tentar conter o paciente

A área ao redor deve ficar livre para evitar que se machuque

Não interferir de nenhuma maneira em seus movimentos

Não atirar água ou forçar que a pessoa beba algo durante a crise

Aguardar ao lado do paciente até que a respiração se normalize e ele queira levantar-se

Fonte: Nayara Felizardo