Corpo de dançarina de funk morta após lipoaspiração é enterrado no Rio

Corpo de dançarina de funk morta após lipoaspiração é enterrado no Rio

Enterro foi neste domingo, em Ricardo de Albuquerque, no Subúrbio. Namorado diz que planejava pedir a jovem em casamento em julho.

O corpo da dançarina de funk que morreu na sexta-feira (16) após uma cirurgia para colocar próteses de silicone e uma lipoaspiração em um hospital da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, foi enterrado às 11h45 deste domingo (18), em Ricardo de Albuquerque, no Subúrbio. O namorado de Zulmariana Oliveira, de 26 anos, conhecida como Mary Morena, disse que ia pedir a jovem em casamento no dia do aniversário dele, 6 de julho.

"O tempo todo ela estava sorrindo, a gente brigava e voltava sempre muito bem. Na verdade, ela estava sempre sorrindo para vida. A gente tinha planos de casar. Eu ia pedi-la em casamento no dia do meu aniversário. Eu já estava vendo as alianças, ia ser uma surpresa pra ela. A gente ia comprar uma casa juntos, já tínhamos o dinheiro guardado", revelou Walace Alfredo Valadares, que é jogador de futebol e tem uma loja de conveniência.


Corpo de dançarina de funk morta após lipoaspiração é enterrado no Rio

A mãe da jovem disse muito emocionada que a filha era uma mulher guerreira e que tinha muita saúde.

"Vamos sempre lembrar dela com alegria, pois ela era assim. A gente tinha nossos problemas mas estávamos sempre juntas. Eu acho que o sofrimento não acaba aqui, só está começando. Eu não sei se vai dar muito certo viver sem minha filha", afirmou Márcia Mendes.

A dançarina morava em Irajá, no Subúrbio do Rio, e era integrante dos grupos Absolutas do Funk e Tamy e as Delícias. De acordo com o primo de Mary, André Chareet, dez amigas da vítima já haviam feito cirurgias com o mesmo médico que operou a funkeira.

?A gente só vai ter a verdade do que realmente aconteceu com o laudo do Instituto Médico Legal (IML). Por enquanto, não podemos julgar nem acusar ninguém sem provas", afirmou, lembrando os custos do enterro foram pagos pelo médico. "Ele está dando todo o tipo de apoio.

Amiga e companheira de grupo de Mary, Tamires Bastos, de 21 anos, afirmou que faria a cirurgia no mesmo hospital. "Eu já fui neste médico, eu entrei no consultório ele ficou sem me olhar por uns 15 minutos. Ele já olhou pra mim e disse que eu precisava mudar, porque era grande. Ele me disse que a Mulher Jaca, a Mulher Filé já tinham feito a cirurgia lá, mas eu não confirmei com elas. Eu estou revoltada com esse médico. Ele me disse que eu não precisava estar com todos os exames pra fazer. Eu ia fazer a lipo, mas não vou fazer mais nada. Não vou brincar com a vida. O sonho dela era ficar famosa?, disse.


Corpo de dançarina de funk morta após lipoaspiração é enterrado no Rio

Corpo de dançarina de funk morta após lipoaspiração é enterrado no Rio

Perícia

De acordo com Leonardo Adame, produtor do grupo Tamy e as Delícias, Mary tinha pedido liberação para realizar a cirurgia e voltaria a trabalhar em junho. Adame afirmou que o consultório onde foi realizada a cirurgia não possuía UTI e Mary teve complicações após a operação. A cirurgia, de acordo com o produtor, teria custado em torno de R$ 7 mil.

O Centro Médico da Barra informou, por meio de nota, que tem todos os "equipamentos necessários para o atendimento de emergências e o ressucitamento de pacientes" e que mantém com o "Hospital Cardiobarra, localizado na mesma rua, em frente, um contrato de prestação de serviços para a remoção de pacientes quando necessário" (leia a íntegra da nota abaixo).

De acordo com informações da 16ª DP (Barra da Tijuca), uma perícia foi realizada no local e testemunhas serão intimadas para depor. As investigações estão em andamento para apurar as circunstâncias.

"Vida acabou", diz mãe

"Senhor...te rogo..misericórdia.....acalme a dor dentro de mim...me carregue no colo....pois esta muito difícil suportar.....minha vida acabou hoje!!!!", escreveu Márcia Mendes, mãe de Mary, no Facebook.

Leia a íntegra da nota do Centro Médico da Barra:

"A direção do Centro Médico da Barra lamenta o falecimento da paciente Zulmariana Cherret, se solidariza com a família e informa ter adotado todos os procedimentos, disponibilizando toda a sua infraestrutura, equipamentos e seu corpo médico em socorro da paciente.

É importante registrar que além de contar com todos os equipamentos necessários para o atendimento de emergências e o ressucitamento de pacientes, a clínica ainda mantém com o Hospital Cardiobarra, localizado na mesma rua, em frente, um contrato de prestação de serviços para a remoção de pacientes quando necessário. No entanto, é importante lembrar que, no momento de ocorrências como a registrada com Zulmariana, a prioridade deve ser para o atendimento da paciente e para a sua estabilização para só então proceder com a remoção.

Na sexta-feira, dia 16 de maio, a paciente deu entrada no centro cirúrgico para se submeter a uma substituição de próteses de silicone nas mamas em conjunto com mini-abdoômen. O médico responsável pela cirurgia foi o Dr. Luiz Antônio Lima, que não integra o corpo clínico do Centro Médico da Barra e é locatário do centro cirúrgico para a realização de procedimentos em alguns de seus pacientes. Segundo o médico, a operação correu dentro do esperado e, após a liberação pelo médico, a paciente ainda chegou a sair do centro cirúrgico para conversar com familiares. No entanto, quatro horas depois, Zulmariana se sentiu mal e após a adoção de todos os procedimentos de socorro, faleceu na sala de recuperação pós-operatória de causa ainda desconhecida."

Fonte: G1