Corpo de Gabriel García Márquez será cremado no México, informa a família

Comunicado foi lido aos jornalistas na porta da casa do escritor

O corpo do escritor colombiano Gabriel García Márquez, morto na quinta-feira (17), aos 87 anos, na Cidade do México, será cremado em uma cerimônia privada e restrita à família. A informação foi confirmada em comunicado lido para jornalistas na porta da casa do Nobel de Literatura e autor de "Cem anos de solidão", segundo divulgaram as agências de notícias France Presse e EFE.

O comunicado foi anunciado pela diretora do Instituto Nacional de Belas Artes do México, María Cristina García. Segundo Cristina, em respeito a um desejo da família de "Gabo" ? como o escritor era conhecido ?, nenhum outro ato fúnebre será realizado. Por enquanto, apenas uma homenagem nacional será feita ao autor no Palácio de Belas Artes, nesta segunda-feira (21).

Segundo a France Presse, uma das irmãs do escritor, Aída García Márquez, disse à imprensa colombiana que espera que o corpo dele seja levado para sua terra natal. "Gabito é da Colômbia, têm de trazê-lo, quer dizer, não tive tempo de pensar nisso, mas não há dúvida de que ele tem que vir e de que vão trazê-lo para nós", declarou.

"Ele é da Colômbia, é Nobel de Literatura da Colômbia, o primeiro Nobel, então ele vem, é claro que vão trazê-lo para nós", insistiu a irmã, reconhecendo que a decisão final é do núcleo familiar mais próximo do escritor, ou seja, a viúva Mercedes Bacha, com quem era casado desde 1958, e os filhos Gonzalo e Rodrigo, que nasceram em 1959 e 1962, respectivamente.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, decretou três dias de luto oficial no país pela morte de García Márquez.

O escritor morreu às 14h locais (16h de Brasília), segundo o Conselho Nacional para a Cultura e as Artes do México (Conaculta). Com dificuldades para passar pelo batalhão de jornalistas de plantão, o carro fúnebre partiu da casa do autor horas depois da morte, acompanhado por três viaturas policiais, e fez um breve trajeto até a funerária J. García López, localizada no bairro vizinho de San Ángel.

No dia 8 de abril, após passar oito dias internado em decorrência de um quadro de pneumonia, García Márquez deixou o Instituto Nacional de Ciências Médicas e Nutrição Salvador Zubirán, na Cidade do México. Seu estado, porém, ainda inspirava cuidados. Desde então, o escritor permaneceu sob atenção médica em sua residência. Segundo a família, a saúde de Gabo era "muito frágil". Ele lutava contra um câncer no sistema linfático desde 1999.

Em julho de 2012, o mais novo de seus dez irmãos, Jaime García Márquez, revelou que o autor sofria de demência senil "há alguns anos" e que estava lutando contra a perda de memória.

Vivendo no México há mais de 30 anos, García Márquez passou seus últimos anos afastado da vida pública. Em suas raras aparições, preferiu não dar declarações à imprensa. A última aparição pública de Gabo foi em 6 de março passado, dia de seu aniversário, quando foi até a porta de sua casa e recebeu as felicitações de jornalistas, amigos e fãs.

Considerado um dos mais importantes escritores do século 20 e um dos mais renomados autores latinos da história, Gabriel García Márquez nasceu em 6 de março de 1927, em Aracataca, na Colômbia. Chegou a estudar direito e ciências políticas na Universidade Nacional da Colômbia, mas não concluiu o curso, preferindo iniciar carreira no jornalismo.

O sucesso internacional, no entanto, veio principalmente após a publicação de seu romance mais famoso, ?Cem anos de solidão?, em 1967. A obra-prima de García Márquez vendeu, até hoje, mais de 50 milhões de exemplares.

É considerado, ao lado de ?Dom Quixote?, de Miguel de Cervantes, um dos livros mais importantes da literatura em língua espanhola. Foi traduzido para 35 idiomas. Exemplo máximo do realismo fantástico ? gênero característico do boom latino-americano da segunda metade do século XX ?, ?Cem anos de solidão? se passa na fictícia aldeia de Macondo e acompanha, ao longo de gerações, a saga da família Buendía.

Fonte: G1