Corpo de menino morto em assalto será levado para Bolívia ainda hoje

No domingo, foi divulgada foto de suspeito de atirar no boliviano de 5 anos.

O corpo do menino Brayan Yanarico Capcha, de 5 anos, morto em um assalto em São Mateus, na Zona Leste, deve deixar a região metropolitana de São Paulo ainda nesta segunda-feira (1º). O garoto boliviano, que foi assassinado com um tiro na cabeça, na sexta-feira (28), era velado em Guarulhos, mas será enterrado na Bolívia.


Corpo de menino morto em assalto será levado para Bolívia ainda hoje

Corpo de menino morto em assalto será levado para Bolívia ainda hoje

A Polícia Civil neste domingo (30) divulgou a foto de um suspeito de matar o menino boliviano. Segundo as investigações, Diego Rocha Freitas Campos, de 20 anos, já foi condenado por roubo e fugiu do presídio de Franco da Rocha, na Grande São Paulo. De acordo com as investigações, ele atirou no garoto durante o assalto porque ele chorava muito.

Desde o dia do crime, a polícia deteve três suspeitos de participarem do assalto que culminou na morte do garoto. O último a ser detido foi um adolescente. Na tarde deste domingo, policiais civis levaram o menor ao 49º Distrito Policial (São Mateus), delegacia que concentra as investigações. Segundo a polícia, ele contou que Diego foi quem atirou na criança.

Durante a madrugada desta segunda-feira, os policiais foram às ruas para tentar localizar o suspeito de atirar no garoto. As buscas se concentraram em bairros próximos à região de São Mateus, onde mora a família de Brayan.

Desde o dia do crime, a polícia deteve três suspeitos de participarem do assalto que culminou na morte do garoto. O último a ser detido foi um adolescente. Na tarde deste domingo, policiais civis levaram o menor ao 49º Distrito Policial (São Mateus), delegacia que concentra as investigações. Segundo a polícia, ele contou que Diego foi quem atirou na criança.

A mãe do menino de 5 anos afirmou que o filho pediu aos criminosos para "não morrer". Durante a ação, os assaltantes ameaçavam o menino com uma faca no pescoço e atiraram, segundo os pais, porque ela chorava e a família não tinha mais dinheiro. ?Não me mate, não mate minha mãe?, foram as últimas palavras de Brayan antes de ser baleado, relatou a mãe, a costureira boliviana Veronica Capcha Mamani, de 24 anos.

Brayan era filho único dela e do marido, Edberto Yanarico Quiuchaca, de 28 anos. A criança chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Geral de São Mateus, mas chegou morta. Ele será enterrado na Bolívia.

Fonte: G1