Denúncias de lésbicas são geradas por preconceito da família

Pais querem expulsar a filha, não aceitem a companheira ou não permitam que esta frequente a casa deles.

A informação parece contraditória e chega ser absurda, mas a maioria das denúncias que chegam até a delegacia das minorias, em relação às lésbicas, são motivadas pelo preconceito da própria família da vítima.

Segundo a delegada Kátia Esteves, é comum que os pais queiram expulsar a filha, não aceitem a companheira ou não permitam que esta frequente a casa deles. ?Essa é a primeira barreira que as lésbicas enfrentam. Se a família, que deveria apoiar a decisão, age de tal forma, imagina o restante da sociedade?, questiona a delegada.

Telma Oliveira tem uma experiência traumática que ilustra essa realidade de preconceito dentro da família. Quando sua companheira faleceu, devido um tumor no cerebelo, os parentes dela quiseram obrigar Telma a sair da casa onde viveu durante muitos anos. ?Eles já chegaram com caminhão de mudança e disseram para eu sair naquela hora?, conta a mulher.

Mas Telma foi buscar seus direitos e entrou com ação na justiça. Ela foi informada de que poderia ficar na casa até que o processo chegasse ao fim. ?Hoje ainda moro no mesmo lugar e recebo pensão devido a morte da minha companheira, que trabalhava na Strans?, disse Telma.

Kátia Esteves afirma que, atualmente, as denúncias são mais constantes e isso se deve à maior conscientização dessas mulheres. ?No entanto, os gays ainda denunciam mais. E não se pode afirmar que em Teresina existem homens homossexuais em maior uantidade do que mulheres?, declara Esteves.

Como uma forma de provocar essa conscientização e fortalecer a mulher lésbica enquanto sujeito político, será realizado o Encontro Estadual de Lésbicas e Bissexuais que acontecerá em Teresina, dos dias 5 a 7 de março. ?Vamos discutir temas como a saúde da mulher lésbica e as múltiplas exclusões que ela sofre. Teremos palestras e oficinas?, informa Carmem, membro do grupo Matizes que é um dos organizadores do evento, juntamente com a Liga Brasileira de Lésbicas.

O Encontro Estadual também será uma preparação para o Seminário Nacional de Lésbicas e Bissexuais, que deve acontecer em março. ?Queremos chegar com o discurso afinado para esse evento nacional?, afirma Carmem.

Fonte: Nayara Felizardo