Diretor de jornalismo do Sistema MN faz artigo sobre natureza do PI

O artigo se baseia nas duas graças da natureza.

Imortalizado na música de Luiz Gonzaga - “Mandacaru quando “fulora” na seca é sinal que a chuva chega no sertão” -, esse cactus sempre foi visto como símbolo de resistência e fé, emblemático da bravura do sertanejo, medidor da sua esperança, fazendo-o, pacientemente aguardar a chuva chegar para refazer as plantações.

E a flor do mandacaru, profusamente bela em meio ao chão estorricado do Nordeste, sempre foi esse raro sinal de que a chuva está vindo. E, com ela, os tempos vão melhorar, a fartura material vai bater à porta, a alegria vai tomar conta da família.

Agora, não mais apenas pela graça da natureza, mas pela ação do homem que respeitosamente aliado a ela, soube agir para dela tirar proveito, a Flor do Mandacaru já não é o único sinal de alento, o único indicador de boa nova. Fincando-se no solo em direção às alturas, torres imponentes, com suas pás captadoras de ventos, emperalham-se a esse cactus simbólico, para gerar energia eólica, permitindo mudar a vida do Nordeste e de seu povo.

Esses dois registros fotográficos entram para a nossa história, desde já, como sinais de um novo tempo. De esperança renovada. Mas, agora, seguramente, de uma realidade transformada pelo avanço tecnológico, mas sempre pelas dádivas da natureza.

Diferenças da natureza (Crédito: Cinthia Lages)
Diferenças da natureza (Crédito: Cinthia Lages)
Diferenças da natureza
Diferenças da natureza do Piaui


Fonte: Jornal Meio Norte