Anatel vai expandir uso do nono dígito para celular; Pi só em 2015

Medida vai permitir uniformizar ligações para telefones móveis no país. Área com DDD 11 foi a primeira a adotar nono dígito, em julho

O uso do nono dígito para números de telefones celulares, adotado em parte de São Paulo desde o final de julho, será expandido para o restante do país a partir de 2013. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) já definiu o cronograma, que foi aprovado nesta quinta-feira (25) pelo seu conselho.

No caso de São Paulo, o nono dígito foi adotado na área com DDD 11, o que engloba 64 municípios, incluindo a capital paulista, para manter a oferta de novas linhas. Desde o dia 17 de outubro, ligações para celulares daquela região que não sejam precedidas pelo número 9 não são mais completadas.


Anatel vai expandir uso do nono dígito para celular; veja cronograma

A expansão para o restante do país vai ter o objetivo de padronizar as discagens para telefonia móvel e evitar confusões. Não há mudança para os telefones fixos.

Pelo cronograma da Anatel, o interior do estado de São Paulo vai ser a próxima região a ganhar o nono dígito para celulares. Até o final de 2013, nas áreas com código DDD 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18 e 19 será preciso digitar o 9 antes do número do telefone para completar as chamadas.

Na sequência, a medida será adotada nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo (até o final de janeiro de 2014); na região Norte, com exceção do Acre (até o fim de 2014); em Minas Gerais e nos estados do Nordeste (até o fim de 2015); e, por fim, nas regiões Sul, Centro-Oeste e no estado do Acre (até o final de 2016).

São Paulo

O objetivo da alteração em São Paulo foi ampliar o número de combinações de números. Hoje, já estão em uso ou aprovadas para a venda pela Anatel, 42 milhões de linhas com DDD 11. Isso é quase a totalidade das combinações possíveis ? 44 milhões.

A introdução do 9 permitirá que combinações de oito dígitos hoje disponíveis apenas para linhas fixas, ou seja, iniciadas por 2, 3, 4 e 5, sejam usadas também para os celulares. No total, o número de combinações possíveis passará para 90 milhões.

A mudança afeta apenas números de celular. Os telefones fixos e rádios não serão alterados. A alteração é obrigatória, gratuita e a cargo de todas as operadoras.

Fonte: G1