Após alterações, caderneta de poupança volta a atrair aplicação

Dados do Banco Central mostram que os três primeiros dias das novas cadernetas atraíram 140% mais recursos.

Investidores da poupança parecem estar voltando a fazer aplicações. Dados do Banco Central mostram que, após alguma retração nos depósitos causada pela expectativa de mudança nas regras, os três primeiros dias das novas cadernetas atraíram 140% mais recursos que em igual período de abril. No Banco do Brasil, o movimento saltou 223% entre abril e maio. Na comparação com maio do ano passado, porém, o movimento é bem parecido.



Na média diária, brasileiros depositaram R$ 536,4 milhões a cada dia da nova caderneta de poupança, entre os dias 4 e 8 de maio. O valor é bem maior quando comparado a igual período de abril, quando as cadernetas atraíram média de R$ 234 milhões a cada dia.

O movimento dos clientes mostra que, após alguma dúvida inicial, investidores parecem ter retomado a confiança na aplicação financeira mais tradicional do Brasil. Os depósitos também podem ser reflexo do esforço de bancos públicos e privados que, a pedido do governo, têm esclarecido aos clientes que as mudanças não afetam a segurança e a facilidade das cadernetas. Campanhas publicitárias, inclusive, têm convidado consumidores a investir mais.

No BB, por exemplo, a média diária captada mais que dobrou na comparação com abril e alcançou R$ 109,2 milhões. Com o aumento de mais de 200% no movimento, a participação do banco federal nos novos depósitos aumentou de 12,4%, registrado nos últimos dias da regra antiga, para 37% no último dia 8. "O poupador entendeu como positivas as alterações na regra da poupança e continua acreditando no investimento, como sempre",avalia o vice-presidência de negócios de varejo do BB, Alexandre Abreu.

Apesar do aumento na comparação com abril, os dados do BC mostram que, por enquanto, o movimento dos três primeiros dias é comparável ao observado em igual período de maio de 2011. Ou seja, ainda que tenha havido recuperação de um mês para o outro, o movimento não é muito diferente do registrado um ano antes. No início de maio do ano passado, as cadernetas captavam média diária de R$ 566 milhões.

A nova poupança terá mudança na remuneração sempre que o juro básico (Selic), estiver em 8,5% anuais ou menos. Quando isso acontecer, o rendimento passa a ser 70% da Selic mais a Taxa Referencial. Atualmente, a Selic é de 9% e, como está acima do patamar da nova regra, a remuneração segue sendo 0,5% ao mês mais a TR. Depósitos feitos até dia 3 têm garantido o rendimento antigo até o saque.

Em caso de retirada a partir de agora, os recursos sairão prioritariamente do saldo da nova poupança. Depois que esse valor for esgotado, as retiradas começam a ser debitadas do saldo antigo.

Com a mudança, bancos já começaram a emitir extratos de acordo com as novas regras.

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br