Bancários encerram greve e voltam nesta quinta ao trabalho

A paralisação, iniciada no dia 18 deste mês, chegou ao fim na maior parte do Brasil.

Os bancários dos bancos privados --exceto os do Ceará-- e do Banco do Brasil --na maioria dos Estados-- aprovaram o fim da greve na noite de quarta-feira (26) e devem voltar ao trabalho nesta quinta na maior parte do país. Os funcionários de todos os bancos do Ceará e da Caixa e do Banco do Brasil em alguns Estados rejeitaram a proposta e continuarão em greve por tempo indeterminado.



A paralisação, iniciada no dia 18 deste mês, chegou ao fim na maior parte do Brasil com uma nova proposta da Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), que elevou para 7,5% o reajuste salarial da categoria (aumento real de 2%).

Diante da proposta, a Contraf (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) recomendou aos sindicatos regionais a aceitação das condições.

Em Londrina (PR), o sindicato aprovou na manhã desta quarta-feira a proposta de reajuste da Fenaban e a volta ao trabalho, tanto nos bancos públicos como nos bancos privados.

Pela nova proposta, as cláusulas econômicas da convenção coletiva dos bancários devem ficar assim:

- Reajuste 7,5% (aumento real de 2,02% pelo INPC)

- Piso R$ 1.519 (reajuste de 8,5%, o que significa 2,95% de ganho real)

- Piso dos caixas R$ 2.056,89 (8,5% de reajuste)

- Auxílio-refeição R$ 472,15 (R$ 21,46 por dia), com reajuste de 8,5%

- Cesta-alimentação R$ 367,90 (reajuste de 10%)

- PLR (Participação nos Lucros e Resultados 90% do salário mais R$ 1.540 fixos (reajuste de 10%), com teto de R$ 8.414,34 (reajuste de 10%). Caso a distribuição do lucro líquido não atinja 5% com o pagamento da regra básica, os valores serão aumentados para 2,2 salários, com teto de R$ 18.511,54 (10% de reajuste)

- PLR adicional 2% do lucro líquido distribuídos linearmente, com teto de R$ 3.080 (reajuste de 10%)

- Antecipação da PLR 54% do salário mais valor fixo de R$ 924,00, com teto de R$ 5.166,01 e parcela adicional de 2% do lucro líquido do primeiro semestre distribuído linearmente, com teto de R$ 1.540,00

Os bancários deflagraram a greve nacional no dia 18 de setembro, depois de rejeitarem a proposta anterior dos bancos, de 6% de reajuste sobre todas as verbas salariais.

A greve ganhou força durante a semana passada. Enquanto a adesão foi de 5.132 agências e centros administrativos (24% das 21.713 localidades em todo o país) no primeiro dia de paralisação, esse número cresceu 77% e chegou 9.092 locais (42%) no 4º dia de greve, segundo o sindicato da categoria.

Após tentativas frustradas de negociação e acusações de que os bancos estariam sendo omissos, os representantes da categoria consideraram as propostas feitas na terça-feira (26) satisfatórias e recomendaram o fim da paralisação.

Os bancários reivindicavam reajuste de 10,25% (5% de aumento real), além de piso salarial de R$ 2.416,38, participação de lucros de três salários mais R$ 4.961,25 fixos, elevação para R$ 622 os valores do auxílio-refeição, entre outros pedidos.

Os bancos ofereciam apenas reajuste linear de 6% (0,58% acima da inflação), aumentado posteriormente para 7,5%. Também concordaram em ampliar as concessões em relação a benefícios e pisos salariais.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br