Banco envia cartas para cliente morto e é condenado na justiça

Banco envia cartas para cliente morto e é condenado na justiça

Pais recebem correspondências enviadas para filho morto, e banco é condenado a pagar R$ 25 mil de indenização

O banco Itaú foi condenado pela Justiça do Rio Grande do Sul a pagar indenização de quase R$ 25 mil por enviar diversas correspondências e ligar muitas vezes oferecendo serviços a uma pessoa já falecida. As cartas e ligações eram recebidas pelos pais do rapaz que, mesmo informando da morte do filho, continuaram sendo importunados.

Para o relator, juiz Carlos Eduardo Richinitti, a prática da instituição financeira, que vem sendo adotada cada vez mais pelas grandes empresas, contraria o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Destacou especialmente o Artigo 6º, que protege o consumidor da publicidade enganosa e abusiva.

?Coloco-me na condição destes pais, recebendo a toda hora correspondência dirigida ao filho falecido, como se vivo estivesse, servindo apenas para tocar na ferida que jamais cicatriza e que tanto dói. A respeito das ligações, salientou que persistiram mesmo com o pedido do casal para que parassem de contatá-los, pois o filho havia falecido. Estar morto era detalhe menor, sendo que a dor dos pais, tendo que informar, a todo momento, a morte do filho, foi tomada como circunstância irrelevante e incapaz de gerar mudança na atitude fria de quem oferecia algo que não se pediu?, analisou o juiz.

O magistrado disse ainda que os pais do jovem, em dezembro de 2010, enviaram e-mail ao banco comunicando o problema e pedindo que parassem de enviar cartas. Em resposta à comunicação, o Itaú alegou que seriam necessárias informações adicionais para ser possível verificar o problema, como a agência e conta ou CPF do correntista. Em fevereiro do ano seguinte, nova correspondência foi enviada.

Fonte: Extra