BC diz que consumo não será mais o carro-chefe do crescimento

BC diz que consumo não será mais o carro-chefe do crescimento

Consumo não será mais o carro-chefe do crescimento, diz presidente do Banco Central

Um dia depois de comandar a reunião que elevou a dose dos juros, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, disse que a partir de agora o "carro-chefe do crescimento deve ser o investimento", e não o consumo, e que o BC "decidiu de forma unânime apertar" a política monetária para reforçar "a confiança" no órgão no combate à inflação.

Tombini rebate as críticas de que a elevação dos juros de 7,5% para 8%, decidida no mesmo dia em que foi divulgado o fraco PIB do primeiro trimestre de 2013, pode prejudicar o crescimento.

"Inflação mais baixa milita na direção de um salário real mais preservado" e "é condição necessária para o planejamento dos empresários, logo para o investimento", insistiu ele, numa linha oposta à visão petista de que é possível aceitar uma inflação mais alta para não sacrificar o crescimento.

Em março, a presidente Dilma Rousseff afirmara que não concordava com políticas que "matavam o doente", numa referência à alta de juros para conter a inflação. Depois, teve de contemporizar, dizendo que havia sido mal interpretada.

Questionado se não teme o fogo amigo depois de aumentar a dose dos juros, Tombini afirmou que o BC tem o "integral apoio do governo Dilma".

O PIB veio fraco, abaixo do esperado, e mesmo assim o BC intensificou a alta dos juros? Por quê?

Alexandre Tombini - O Banco Central tem dito que está num processo de combate à inflação, querendo fazer que a inflação decline e que esse processo se prolongue no médio prazo.

Para que isso se consolide, é preciso que o Banco Central atue. Já vínhamos comunicando que esse processo seria bastante firme e que ele ajuda a reforçar a confiança, tanto dos consumidores, da dona de casa, quanto dos empresários. Esse processo de combate firme à inflação é compatível com o reforço da confiança na economia brasileira.

O que mudou da última reunião do Copom para esta, quando subiu a dose de aumento de juros?

O Banco Central iniciou o processo de aperto das condições monetárias em abril, e, neste momento, decidiu de forma unânime apertar no combate à inflação, o que reforça seu compromisso com uma inflação mais baixa, tanto no curto prazo quanto em períodos mais à frente.

A inflação alta foi responsável pelo PIB fraco?

Uma inflação mais baixa milita na direção de um salário real mais preservado e reforça a confiança de empresários, dá tranquilidade quanto ao horizonte de planejamento.

Qual o objetivo deste novo ciclo em termos de inflação?

Uma inflação menor neste ano do que no ano passado, quando foi de 5,84%, e no ano que vem menor do que neste ano, indo na direção da nossa meta.

É possível uma inflação abaixo de 5% em 2014?

É possível, certamente.

Este ciclo trabalha com a ideia de inflação abaixo de 5%?

Trabalhamos neste horizonte para convergência da inflação para meta, de 4,5%.

Abaixo de 5% em 2014?

Sim.

Qual foi a reação da presidente Dilma quando o sr. falou com ela sobre o resultado da reunião do Copom?

Não vou falar sobre diálogos dentro do governo. Agora, o que posso dizer é que o trabalho do Banco Central é integralmente apoiado pelo governo Dilma.

Empresários temem um efeito negativo da alta de juros sobre os investimentos. Isso pode acontecer?

Não, na nossa visão isso vai na direção de reforçar a confiança na economia brasileira, nos seus fundamentos.

Sua avaliação então é que, para os investimentos subirem, uma componente necessária é inflação baixa?

Inflação baixa, sob controle, é uma condição necessária para o planejamento dos empresários, logo para o investimento.

O BC não demorou muito a subir os juros?

O Banco Central tem dito que a comunicação é parte integrante da política monetária. Desde janeiro iniciamos um processo de sinalizar que as condições monetárias poderiam ser apertadas. E, de fato, os mercados reagiram a esse processo.

Quanto o PIB vai subir neste ano, depois do resultado fraco do primeiro trimestre e da alta dos juros mais forte decidida nesta semana?

Achamos que o PIB em torno de 3% é factível no Brasil neste ano neste contexto de política econômica.

Pode ser menor?

Em torno de 3%.

O BC está sozinho no combate à inflação?

Não, o objetivo do Banco Central é o combate à inflação. Temos de fazer nosso trabalho, em qualquer contexto, para atingir nosso objetivo de inflação estabelecido pelo governo.

Quando digo sozinho me refiro à política fiscal, que o próprio BC tem dito que tem sido expansionista. Não seria melhor conter os gastos públicos neste momento?

Vamos avaliar a política fiscal a cada momento do tempo. É uma das variáveis que analisamos para tomarmos decisão de política monetária, não tomamos decisão de política fiscal.

Há uma avaliação de que o BC, em 2012, mirava duas metas, inflação e crescimento econômico, tolerava certa inflação para não sacrificar o crescimento. Isso mudou?

Não, o objetivo do Banco Central sempre foi a inflação. Se você voltar no tempo, junho do ano passado, tínhamos uma projeção de 4,7%, 4,8%. A política estava toda apontando na direção de uma inflação na meta. Tivemos um choque externo e houve uma depreciação do câmbio, fatores que levaram a inflação para cima, combinados com um choque de alimentos no país.

Estamos trabalhando, desde janeiro, com a comunicação e, desde abril, com a política monetária para trazer a inflação de volta.

O dólar voltou a se valorizar nos últimos dias. Isso prejudica o trabalho do BC?

Temos um movimento internacional de valorização do dólar nas últimas semanas. Vamos acompanhá-lo para ver onde se estabiliza. O câmbio é flexível, vai refletir os fundamentos da economia. O Banco Central intervirá sempre que necessário para reduzir a volatilidade.

O cenário internacional é inflacionário ou deflacionário neste momento para o Brasil?

É mais para neutro. Temos algum declínio no preço das commodities e, ao mesmo tempo, esse processo recente de valorização do dólar em relação a outras moedas. Então, essas questões se neutralizam.

O ministro Guido Mantega disse que a alta de dólar não preocupa, pelo contrário, é boa para as exportações. O BC tem a mesma visão?

Esse é um processo global de valorização do dólar, vamos ver onde vai parar. O repasse do câmbio para inflação é moderado num regime de câmbio flutuante.

Temos hoje inflação alta e crescimento baixo. Corremos o risco de ter estagflação?

A inflação está sob controle, vai declinar. A economia brasileira começa agora uma recuperação gradual. Não caracterizaria isso como processo de estagflação.

O consumo ficou praticamente estável, contribuindo para o fraco desempenho do PIB. Isso significa que esgotou-se o modelo de focar no consumo o crescimento brasileiro?

O carro-chefe do crescimento deve ser, neste período à frente, o investimento. O consumo, naturalmente, ajuda a propagar o crescimento, mas não necessariamente vai ser o carro-chefe, definir a dinâmica de quanto a economia cresce no período à frente.

Ano que vem é de eleição presidencial. No PT e no próprio governo há o temor de que a alta dos juros prejudique a campanha da reeleição da presidente Dilma. O sr. concorda com essa avaliação?

A política de combate à inflação vai no sentido de assegurar uma preservação da renda real do assalariado, de dar mais confiança ao consumidor, à dona de casa e ao próprio empresário para investir. Então, o combate à inflação não tem esse elemento, na minha visão, de colocar em risco a evolução da economia brasileira.

O sr. teme o "fogo amigo" neste momento de alta dos juros?

A política de combate à inflação do Banco Central tem o integral apoio do governo Dilma, isso que é importante.

Fonte: Folha